Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estresse pode desencadear crises de epilepsia

Situações tensas foram associadas a um maior número de convulsões em indivíduos epilépticos

Por Ana Luísa Moraes Atualizado em 26 set 2019, 17h14 - Publicado em 18 jun 2017, 16h00

São muitas as complicações associadas ao estresse. Mas uma revelada faz pouco por pesquisadores da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, chama especialmente a atenção: o nervosismo foi ligado a um aumento no número de convulsões em adultos epilépticos.

É um acréscimo expressivo, diga-se de passagem. Segundo o levantamento, o risco de uma crise aumenta três vezes entre aqueles com ansiedade generalizada e duas vezes para quem tem transtornos de humor.

Os cientistas coletaram informações de 81 pacientes de Nova York que tiveram epilepsia recém-diagnosticada ou que haviam apresentado um único surto. Depois, monitoraram os participantes por dois anos. Conclusão: situações que provocam alto grau de nervosismo estavam fortemente atrelados à reincidência de ataques nos dois grupos.

Para ter ideia, foram considerados como fatores estressantes os seguintes episódios: doença ou morte na família, perda de emprego ou problemas com dinheiro, relacionamentos malsucedidos, lesão física e dificuldades legais. Ou seja, estamos falando de cenários realmente complicados — e não apenas de um dia isolado de nervosismo.

O que fazer diante disso

Apesar de ser um levantamento relativamente pequeno, seus resultados indicam caminhos importantes para quem sofre com epilepsia. Segundo o estudo, “As intervenções de redução de estresse, como a técnica mindfulness e a terapia comportamental cognitiva, podem ser consideradas tratamentos adjuntos seguros e baratos”. Os experts afirmam no artigo que essas descobertas são relevantes em especial para pessoas de baixa renda.

A epilepsia é uma disfunção crônica caracterizada principalmente por convulsões recorrentes. De acordo com a neurologista Elza Yacubian, da Liga Brasileira de Epilepsia (LBE), essas crises são causadas por descargas elétricas anormais no cérebro.

A especialista conta ainda que, em adultos, elas acontecem mais comumente enquanto a pessoa dorme, e podem ser agravadas por condições como privação de sono, ingestão alcoólica, sedentarismo e má alimentação.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)