Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Preocupação com dinheiro aumenta risco de infarto em até 13 vezes

Estudo realizado na África do Sul encontra relações evidentes entre o estresse financeiro e a saúde do coração

Por Giovana Feix Atualizado em 24 nov 2017, 10h28 - Publicado em 11 nov 2017, 18h36

Eles chegam todo mês, sem falta, e, além de causar sofrimento momentâneo, podem afetar a longo prazo a saúde do coração: são os temidos boletos. Quem diz isso são cientistas sul-africanos, que concluíram um estudo sobre as relações entre fatores psicossociais e os riscos de alguém infartar.

Dentre as descobertas, a mais impressionante incrimina algo que (convenhamos) já não agradava a ninguém: a preocupação com o dinheiro. De acordo com o levantamento, essa angústia aumenta em impressionantes 13 vezes o risco de um ataque cardíaco. Dá para acreditar?!

Como funcionou o estudo

Para chegar a tais conclusões, foram analisados 212 voluntários – metade tinha sofrido um infarto, enquanto os outros nunca haviam passado por esse susto. Os participantes completaram um questionário sobre emoções que haviam vivenciado no mês anterior à pesquisa. Tinham se sentido deprimidos? Ansiosos? Estressados? E, se sim, o culpado foi o trabalho ou o dinheiro? Tudo isso foi levado em consideração.

Pra começo de conversa: 40% dos entrevistados reclamou de estresse intenso no mês anterior. E, quando esse sentimento estava relacionado ao trabalho, foi possível verificar um aumento de 5,6 vezes no risco de infartar em comparação com o pessoal mais tranquilo. Mas nada superou o impacto das preocupações financeiras propriamente – que, como já dissemos, catapultou em 13 vezes a probabilidade de um piripaque cardíaco.

A saúde mental como alerta

O estudo também mostrou que a depressão (mesmo quando moderada) é capaz de triplicar a possibilidade de essa complicação cardíaca dar as caras. Segundo Denishan Govender, um dos professores responsáveis pela descoberta, da Universidade de Witwatersrand, os números chamam atenção à necessidade de todo e qualquer doutor ficar de olho na saúde mental de seus pacientes.

“Poucos médicos perguntam sobre estresse, depressão ou ansiedade durante uma consulta, e isso deveria ser uma prática tão rotineira quanto questionamentos sobre o tabagismo”, opinou o especialista, em entrevista à Sociedade Europeia de Cardiologia. “Assim como providenciamos conselhos sobre a cessação do tabagismo, precisamos oferecer informação sobre como lidar com o estresse”, arrematou.

A relação entre fatores psicossociais e o coração já tinha sido observada em estudos de outros países, e foi confirmada agora pela primeira vez na África do Sul, um país em desenvolvimento – assim como o Brasil. Além da cabeça, portanto, parece que as crises financeiras atingem o peito em cheio. Melhor não se descuidar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês