Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Quais são os cuidados básicos quando se tem epilepsia

Os portadores dessa desordem neurológica que provoca convulsões precisam, em primeiro lugar, buscar tratamento adequado

Por Thiago Nepomuceno Atualizado em 25 out 2017, 12h01 - Publicado em 21 out 2016, 14h38

Quem mandou essa pergunta foi o leitor Jack da Fonseca, da Angola. A epilepsia é um distúrbio neurológico causado por um disparo anormal dos impulsos elétricos no cérebro. De maneira geral, os principais fatores que desencadeiam as crises de convulsão são falta de sono, cansaço e o uso inadequado da medicação.

A recomendação é dormir bem e, claro, seguir à risca o tratamento recomendado pelo médico. Mas, segundo Laura Guilhoto, neurologista e presidente da Associação Brasileira de Epilepsia, cada paciente tem suas particularidades. “Algumas pessoas são fotossensíveis. Então, devem evitar luzes estroboscópicas, como aquelas piscantes de boates”, exemplifica.

Além disso, no Brasil, um indivíduo que tenha sofrido ataques epilépticos no último ano é proibido por lei de dirigir carros, motos e avião. “Determinados esportes, como a natação, devem ser praticados com companhia. Assim, caso aconteça algum problema, tem alguém para tirar o paciente da piscina”, acrescenta Laura. Quanto às modalidades radicais, é preciso ainda mais cautela, já que qualquer descuido pode ser fatal.

Atividade física: é bom fazer

Ainda que demandem certos cuidados, os exercícios são superindicados para quem tem epilepsia. Em um estudo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no interior paulista, a educadora física Simone Kishimoto comparou o estado de 80 voluntários com epilepsia, sendo que alguns sempre se dedicavam à movimentação corporal.

“Os indivíduos ativos apresentaram maior qualidade de vida, resiliência e autoestima e menos sintomas depressivos”, resume a psicóloga Paula Teixeira Fernandes, orientadora do trabalho. “Os exercícios fazem os pacientes se sentirem úteis e incitam o convívio social”, explica.

Fora isso, outros experimentos indicam que os esportes diminuem o número de crises por interferirem no circuito cerebral envolvido com a epilepsia. Só é importante buscar auxílio profissional antes de calçar os tênis e sair por aí.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês