Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cochilos não compensam horas de sono perdidas à noite, diz estudo

Pesquisa americana indica que, se o cochilo for de qualidade, os prejuízos até são amenizados – mas a soneca não reverte totalmente o estrago

Por Ingrid Luisa
23 ago 2021, 12h01

Quem nunca dormiu super mal e achou que um cochilo durante o dia compensaria os estragos das horas de sono perdidas? Pois é, mas pesquisadores do Laboratório de Sono e Aprendizagem da Universidade Estadual do Michigan (MSU) surgem na história com um balde de água fria: em estudo, eles mostraram que essa tática não funciona se a ideia é atenuar os déficits cognitivos após uma madrugada agitada.

“Há alguns anos já vem se discutindo e estudando a utilidade do cochilo de dia, mas esse estudo foi bem interessante porque ele analisou não só se a pessoa cochilou ou não, mas o estágio do sono alcançado”, comenta a médica Dalva Poyares, pesquisadora do Instituto do Sono, em São Paulo. “A sensação de cansaço pode estar ligada à qualidade do cochilo e se os indivíduos conseguem entrar em níveis mais profundos do sono ou não. Por isso é importante ter esse registro”, explica.

Publicado no periódico científico Sleep, o estudo contou com 275 participantes jovens, e foi o primeiro a medir a eficácia de sonecas curtas, de 30 e 60 minutos – aquela que dá pra encaixar no horário do almoço.

Os voluntários foram ao Laboratório de Sono e Aprendizagem da MSU à noite e realizaram algumas atividades cognitivas, como completar uma série de tarefas em uma ordem específica sem pular ou repeti-las, mesmo com interrupções durante o processo. O objetivo era avaliar o grau de atenção.

+LEIA TAMBÉM: Em busca do sono perdido

Depois disso, os pesquisadores dividiram os participantes em três grupos: o primeiro recebeu a orientação de ir para casa e dormir normalmente; o segundo permaneceu no laboratório durante a noite e pôde tirar uma soneca de 30 ou 60 minutos; e o terceiro passou a noite inteira em claro, sem pregar o olho.

Continua após a publicidade

Aqueles que cochilaram foram monitorados com polissonografia, para avaliar a qualidade desse sono.

Na manhã seguinte, os participantes repetiram as tarefas cognitivas no laboratório e os experts registraram seus desempenhos. Assim, puderam comparar com a performance do dia anterior.

Como os cientistas já imaginavam, todos os que tiveram privação de sono, incluindo os que cochilaram, demonstraram dificuldade significativa na resolução das atividades.

Mas o pulo do gato vem agora: os pesquisadores perceberam que os voluntários que tiraram a soneca e conseguiram passar mais tempo na fase de ondas lentas (SWS, na sigla em inglês, ou estágio não-REM 3), que fica entre o sono leve e o muito profundo (REM), tiveram menos prejuízos em seu desempenho.

“Esse é um estágio em que o metabolismo está lá embaixo, e o consumo de energia pelo cérebro e pelo corpo permanece bem diminuído. Ou seja, é uma das fases em que a pessoa realmente descansa. E isso é muito importante para a retenção de memórias e a cognição”, descreve Dalva.

Continua após a publicidade

+LEIA TAMBÉM: Cochilar à tarde beneficia a memória e a cognição

O estudo não indicou se dormir por um período maior levou as pessoas a ficarem mais no sono de ondas lentas, mas Dalva explica que atingir esse estágio não está diretamente ligado ao tempo de cochilo. A rapidez com que se chega nessa fase depende de cada pessoa, e está mais associada à qualidade do sono.

“Cada aumento de 10 minutos na fase SWS reduziu os erros nas tarefas em cerca de 4%”, contou Kimberly Fenn, professora da MSU e autora do estudo, em comunicado divulgado pela universidade.

Segundo a pesquisadora, as descobertas sobre a etapa de ondas lentas do sono são muito significativas, mas ela espera que os resultados ratifiquem a ideia de que cochilo nenhum substitui uma boa noite de repouso.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.