Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Cochilar à tarde beneficia a memória e a cognição

A soneca depois do almoço parece ser receita certeira para manter a mente nos trinques com o avançar da idade

Por Karolina Bergamo Atualizado em 29 mar 2019, 17h08 - Publicado em 14 jan 2017, 14h00

O turista brasileiro que resolver dar uma volta após o almoço pelas vielas da pequena Matera, cidade histórica no sul da Itália, vai se deparar com os estabelecimentos fechados e esquinas desertas. É que os habitantes de lá são adeptos da sesta, o famoso cochilo após a refeição.

Em Controne, outra cidade italiana, a prefeitura anunciou que iria aplicar multas nos donos de cães que latissem durante o descanso vespertino. Pois é, trata-se de uma tradição levada a sério por lá – e em vários outros países da Europa.

Leia mais: Cochilo pós-almoço traz benefícios ao bem-estar

Aqui no Brasil, no entanto, a maioria da população não cultiva esse hábito. Mas pesquisas indicam que faria bem adotá-lo – e não só para voltar animado ao batente.

Um estudo da Universidade de Baltimore, nos Estados Unidos, investigou a ação dessa soneca no funcionamento cerebral de 2 974 chineses que já haviam passado dos 60 anos. E veja só: segundo as conclusões do trabalho, cochilar uma hora por dia melhoraria a memória e cognição das pessoas nessa faixa etária.

Continua após a publicidade

Os participantes foram divididos em três categorias: os que não dormiam após o almoço; os que adormeciam só um pouco (menos de 30 minutos); os que passavam um tempo moderado repousando (de 30 a 90 minutos) e os que se entregavam ao sono por um período longo (mais de 90 minutos).

Ao comparar essa turma toda, eles notaram que os adeptos do descanso moderado tiveram melhor desempenho nos testes mentais do que os outros grupos. Para ter ideia, quem dormia pouco ou muito chegava a encarar de quatro a seis vezes mais dificuldade nas atividades propostas do que aqueles que repousaram por aproximadamente uma hora.

Leia mais: Idosos têm reação mais lenta no trânsito

Os experts afirmam que, apesar de ser um estudo baseado apenas em observação, ele abre caminhos para novas investigações. E como a perda sutil de cognição é própria do processo de envelhecimento, a notícia é especialmente animadora.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)