Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cheias no RS: o que saber da leptospirose e outras doenças de enchente

Catástrofe climática vivida pelos gaúchos acende também alerta sobre doenças que se escondem nas águas

Por Maurício Brum
Atualizado em 6 Maio 2024, 10h34 - Publicado em 6 Maio 2024, 08h15

O Rio Grande do Sul segue enfrentando a pior catástrofe climática de sua história. Com cheias recorde que afetaram o interior pelos rios Jacuí e Taquari, chegando também à região metropolitana de Porto Alegre no estuário do Guaíba, estima-se que mais de meio milhão de pessoas já foram impactadas. Em meio à urgência, autoridades sanitárias também acendem o alerta para doenças que podem ser contraídas nas águas da enchente, em especial a leptospirose.

Com vários hospitais do RS tendo que ser evacuados em razão das cheias, o sistema de saúde gaúcho vive um cenário de superlotação e possível escassez de insumos que lembra os piores dias da pandemia de Covid-19. Por isso, conhecer os sinais dessas doenças torna-se fundamental para entender quando buscar ajuda, evitando uma sobrecarga ainda maior dos serviços de saúde.

+Leia também: Enchentes aumentam risco de doenças; quais os sintomas e cuidados

O que é a leptospirose

A leptospirose é uma doença provocada pelo contato direto ou indireto com a urina de animais contaminados pela bactéria Leptospira. Em períodos de enchente, é extremamente comum que esse contágio se dê com ratos como intermediários, devido ao extravasamento das redes de esgoto.

A infecção ocorre pelo contato da água contaminada com feridas na pele ou mucosas. Mas mesmo a pele íntegra pode ser afetada em casos nos quais a pessoa fica imersa por longos períodos, como pode ocorrer em quem está ilhado.

É importante notar que a leptospirose nem sempre provoca sintomas imediatamente após o contágio. O mais comum é que a incubação leve em torno de 7 a 14 dias, mas pode demorar até um mês para os primeiros sinais aparecerem.

Continua após a publicidade

Febre, dor de cabeça, dores musculares, náuseas, vômitos e diarreias são sintomas comuns a essa doença, que pode progredir e causar hemorragias e comprometimento pulmonar se não for tratada – quadros potencialmente fatais.

Como os sintomas iniciais da leptospirose são muito parecidos com outras doenças, como a dengue, ela pode ser confundida com outros quadros. Por isso, pessoas que tiveram contato com as águas da enchente devem informar imediatamente ao médico que isso ocorreu, para acelerar a investigação e confirmação do diagnóstico.

Doenças de enchente além da leptospirose

Embora seja a mais comum, a leptospirose não é o único problema que pode vir das águas sujas em uma cheia. Outros vírus e bactérias também podem circular por ali, levando a problemas seja pela ingestão acidental da água ou pelo contato do líquido com ferimentos na pele e mucosas.

Em lugares nos quais houve extravasamento da rede de esgoto, é importante ficar atento também à possibilidade de contágio por hepatite A e hepatite E, cólera e tétano.

+Leia também: O que é cólera, que voltou a ter caso autóctone no Brasil após 18 anos

Embora a sazonalidade esteja se confirmando com uma redução nos casos de dengue desde abril, também não se pode descartar que o acúmulo de água parada acabe provocando um novo surto da doença nas cidades afetadas, em função da proliferação dos mosquitos. Nesse caso, tudo também vai depender da temperatura, já que o RS se aproxima de meses mais frios, hostis ao Aedes aegypti.

Falta de água potável também exige atenção

Muitas cidades gaúchas também estão enfrentando problemas no abastecimento de água, o que pode levar a dificuldades na higienização e preparo dos alimentos. Na dúvida sobre a procedência ou a qualidade da água, é fundamental filtrá-la ou fervê-la antes do uso para consumo, para evitar infecções gastrointestinais.

Autoridades também apontam uma solução emergencial caso não haja qualquer possibilidade de filtragem ou fervura: deixar a água suja decantar, separar o líquido sem detritos e então realizar a desinfecção usando uma pequena quantidade de solução de hipoclorito de sódio a 2,5%, popularmente conhecido como água sanitária.

Neste caso, deve-se usar duas gotas de hipoclorito de sódio para cada litro de água, deixando a solução agir por meia hora antes do consumo. Não se deve utilizar a substância desinfetante em concentrações maiores, para prevenir que ela própria cause danos à saúde.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.