Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Os 8 investimentos para termos uma população mais ativa

Um documento destaca onde a sociedade deve colocar recursos financeiros e políticos para tornar o mundo menos sedentário

Por Theo Ruprecht 31 mar 2021, 09h37

A Organização Mundial da Saúde estabeleceu uma meta em 2018: reduzir em 15% o sedentarismo global até 2030. Para ajudar a alcançar esse objetivo, a Sociedade Internacional de Atividade Física e Saúde (Ispah, na sigla em inglês) criou recentemente um dossiê especial.

Ele parte do pressuposto de que não podemos jogar toda a responsabilidade de se mexer mais para o indivíduo. Ora, fica complicado fazer exercício em regiões inseguras e sem parques, por exemplo. A partir daí, a diretriz lista oito estratégias que merecem o investimento e a atenção de governos, iniciativa privada e sociedade civil.

Detalhe: essas medidas precisam ser implementadas em conjunto. “A inatividade física é um problema complexo de saúde pública, com múltiplas influências que interagem entre si”, detalham os autores no material da Ispah.

1) Programas escolares

Valorizar a educação física é um ótimo ponto, mas não o único. Incentivar e discutir diferentes modalidades nas aulas e no recreio são outros exemplos.

2) Transporte ativo

Tudo que faz a pessoa andar ou pedalar mais enquanto se desloca de um lugar a outro é válido. Isso inclui ampliação de ciclofaixas e reforma de calçadas.

Continua após a publicidade

3) Sistema de saúde com foco em exercício

Os profissionais da área devem conversar sempre com pacientes sobre os benefícios do esforço físico na prevenção e no tratamento de doenças.

  • 4) Campanhas de conscientização

    Mensagens nos meios de comunicação fazem a população priorizar os exercícios na agenda e também dão dicas sobre como atingir os níveis ideais.

    5) Mudanças no trabalho

    As empresas podem fazer muita coisa: encorajar pequenos intervalos ativos, financiar inscrições em academias, criar bicicletários…

    6) Acesso igualitário aos esportes

    Mulheres, idosos e pessoas com deficiência estão entre os grupos que menos praticam atividade física no lazer. Iniciativas para essas turmas são vitais.

    7) Planejamento urbano ativo

    Bairros que mesclam comércio, parques, escritórios e residências — e com boas opções de transporte público — fazem as pessoas se moverem mais.

    8) Projetos comunitários

    A aula gratuita de ginástica na praça da esquina ou aquele evento esportivo todo especial incentivam a incorporação da atividade física.

    Continua após a publicidade
    Publicidade