saudeLOGO Created with Sketch.

Contato com a natureza na infância traz vantagens para a vida toda

Sociedade Brasileira de Pediatria lança manual reforçando a importância do meio ambiente no desenvolvimento infantil

Em uma era de crianças cada vez mais conectadas, entidades e estudos reforçam que é preciso passar um tempo em meio à natureza. A Sociedade Brasileira de Pediatra (SBP) acaba de lançar um manual sobre o assunto.

Entre os benefícios elencados no documento estão: bem-estar mental, favorecimento do desenvolvimento neuropsicomotor, melhor controle de doenças crônicas e menor risco de encarar problemas de saúde na vida adulta.

A falta de oportunidades de brincar ao ar livre, por outro lado, está relacionada ao aumento de encrencas ainda na infância e adolescência, como obesidade, hiperatividade, pouca habilidade física e até mesmo miopia.

As telas parecem ter uma boa parcela de culpa aí — ora, ao trocar a praça pelo tablet, celular ou televisão, é natural que a criança se movimente menos. Fora que a urbanização, em especial sem planejamento, traz também a redução das áreas verdes e a falta de segurança. Assim, a tendência é passar mais tempo em ambientes fechados.

Quanto tempo ao ar livre é preciso?

O novo manual da SBP pede pelo menos uma hora diária de atividades em contato com a natureza, seja para brincar, aprender ou conviver. Esse tempo pode ser incluído na rotina da creche ou da escola.

Uma das recomendações da entidade é para o poder público: é preciso garantir que as crianças e os adolescentes tenham acesso a áreas naturais, seguras e bem conservadas a menos de dois quilômetros de casa.

O exemplo dos pais também é decisivo para que a relação dos pequenos com o meio ambiente floresça. Cabe aos adultos compartilhar seu apreço pela diversão offline e também pela contemplação diante de uma paisagem, por exemplo.

É com eles que os menores aprendem a buscar o equilíbrio e aproveitar o melhor da tecnologia e dos cenários naturais.

Estudo reforça benefícios

Um levantamento feito com mais de 3 600 europeus mostrou que adultos que haviam passado menos tempo em meio à natureza durante a infância se saíram pior em testes psicológicos. Para avaliar a saúde mental deles, os pesquisadores perguntaram sobre níveis de nervosismo, sintomas depressivos, energia e fadiga.

O trabalho, conduzido pelo Barcelona Institute of Global Health, descobriu ainda que o grupo que não tinha visto muito verde na infância dava menos importância a espaços naturais. Mais um sinal de que o amor pelo meio ambiente deve começar no berço — e passar de pais para filhos.

Sedentarismo infantil

Além de favorecer a saúde mental, ficar ao ar livre costuma estimular as crianças a se movimentarem mais. Isso é importante para que trabalhem coordenação motora, agilidade, equilíbrio e cooperação social. Sem falar que dá uma força e tanto para a prevenção da obesidade — quadro cada vez mais comum entre os pequenos.

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) até divulgou um alerta sobre os perigos do sedentarismo nesse sentido. Nele, cita que cerca de 40 milhões de crianças em todo o mundo estão acima do peso.

A OMS diz que, entre 1 e 4 anos de idade, é preciso se movimentar por pelo menos 180 minutos ao dia. Ou seja, três horas andando, engatinhando, balançando, pulando e fazendo tantos outros passatempos. Dos 3 ao 4, uma hora desse total de tempo deve ser dedicado a atividades intensas — isto é, aquelas que fazem suar a camisa e perder o fôlego. Nada que uma brincadeira de pega-pega não resolva.