Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Foto da autora do Prato de Criança Prato de Criança Mariana Del Bosco é nutricionista expert em alimentação infantil e mãe da Alice e da Isabel. Por aqui ela traz as lições da ciência e da experiência (de casa e do consultório) para a criançada comer melhor

Onde estamos errando na alimentação infantil?

Excesso de peso e carência de nutrientes coexistem entre as crianças brasileiras. Como resolver esse desafio?

Por Mariana Del Bosco 28 mar 2022, 18h36

Os estudos populacionais e a simples observação do entorno evidenciam que as crianças estão cada vez mais acima do peso e expostas precocemente ao que antes era considerado “doença de adulto”, como diabetes tipo 2, hipertensão e colesterol alto.

Hoje, sobretudo em nações de menor renda, a obesidade já coexiste com a desnutrição. No Brasil, os últimos 40 anos foram marcados por um processo de transição nutricional, com o declínio contínuo da desnutrição (a boa notícia) e o aumento progressivo do excesso de peso (a má notícia).

Enquanto a desnutrição ainda afeta mais grupos vulneráveis e bolsões de pobreza, os indicadores de obesidade cresceram em diversas faixas, mas principalmente nos estratos de menor escolaridade. Isso escancara um cenário de insegurança alimentar e nutricional nas camadas menos privilegiadas da população.

A prevalência de obesidade infantil saltou cinco vezes nos últimos 13 anos. Segundo dados do SUS de 2019, 13% das crianças de 5 a 9 anos e 7% dos adolescentes de 12 a 17 anos se encontram obesos. E a pandemia de Covid-19, com todas as suas restrições sociais, só veio acentuar o processo de ganho de peso.

+ Leia também: Como readequar a alimentação e a rotina das crianças no novo normal

E a alimentação com isso? O acúmulo de gordura e a persistência da carência de nutrientes são um reflexo da má qualidade da dieta do brasileiro mais jovem. É algo que vai além do peso: o Ministério da Saúde calcula que 20% dos pequenos com menos de 5 anos apresentam anemia por falta de ferro e 17%, déficit de vitamina A.

Continua após a publicidade

Nossa situação alimentar é, portanto, complexa, e o enfrentamento dos problemas demanda ações conjuntas de todos os setores da sociedade. O governo deve atuar na atenção básica à saúde — fornecendo orientação e assistência —, promover espaços adequados para a prática de exercícios e esportes, regulamentar alimentos e bebidas (e a respectiva publicidade destinada a crianças) e aprimorar os programas de alimentação escolar.

Compartilhe essa matéria via:

A escola, aliás, é um excelente ambiente para ensinar e cultivar bons hábitos — até porque parte do tempo e das refeições da criançada acontece ali. A indústria, por sua vez, tem de colaborar com o desenvolvimento de produtos de melhor qualidade nutricional e com uma comunicação clara e responsável com o consumidor.

À família também cabe uma parcela da solução. Os efeitos da rotina e do ambiente doméstico não podem ser subestimados. Daí a importância de organizar a aquisição e o preparo dos alimentos para as refeições principais e os lanches intermediários. Os horários de comer devem ser preestabelecidos e o uso de telas à mesa, desestimulado.

Temos dados robustos de que, quanto maior o número de refeições em família, menor o risco de problemas nutricionais. O horizonte é desafiador, sem dúvida, e as responsabilidades devem ser endereçadas a cada esfera para que ninguém deixe de fazer sua parte. Não existe receita mágica, mas a união de todos esses agentes e ingredientes pode alimentar a transformação. O futuro agradece.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês