Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Kelly Oliveira Pediatria Descomplicada Pediatria Descomplicada Garantir saúde, carinho e bem-estar na infância. Esse é o objetivo de cada linha escrita por Kelly Oliveira, pediatra e consultora internacional de amamentação.

A adoção como opção

Nossa colunista destaca a necessidade de melhorar o acolhimento de mulheres que colocam um bebê para adoção, medida genuína e prevista em lei

Por Kelly Oliveira 8 jul 2022, 12h29

O compartilhamento do ocorrido com a atriz Klara Castanho mostra que falta empatia e sobra julgamento para algo que precisa ser visto de forma muito mais ampla. O ocorrido escancarou um tema que ninguém quer falar, mas acontece todos os dias. A jovem atriz, após ser vítima de violência sexual, decidiu seguir em frente com a gestação e entregar o seu bebê de forma voluntária para a adoção

Não há palavras para descrever o sofrimento de uma mulher violentada em tantos aspectos: físico, emocional, psicológico. Sua identidade foi destruída. O ocorrido mostra que falta preparo por parte dos profissionais para lidar com isso de forma sigilosa e ética, mas traz à tona uma importante pauta: a adoção como opção.

O que muitos talvez não saibam é que entregar uma criança para adoção é um ato permitido pela “Lei da Adoção”(Lei 13.509/2017). O processo é basicamente o seguinte: após manifestar interesse antes ou logo após o nascimento, a mulher é encaminhada para a Justiça da Infância e da Juventude, onde é ouvida por uma equipe interprofissional. 

Compartilhe essa matéria via:

Essa equipe redige um relatório que será enviado ao Judiciário. Inicialmente, avalia-se a possibilidade de algum representante familiar receber a guarda da criança. Se não houver, a criança é redirecionada para programas de acolhimento ou sob guarda provisória de alguém capaz de adotá-la.

Existe, portanto, um fluxo para que a vontade dessa mãe seja respeitada – inclusive de forma sigilosa – e para que a criança receba o devido cuidado. Importante salientar que a entrega voluntária para adoção é um processo que deve ser realizado apenas pelo Poder Judiciário. 

+Leia também: Violência contra a mulher: sofrimento silencioso

A escolha de Klara e de tantas outras mulheres abre caminho para discussão dessa pauta tão esquecida. E não só isso: é uma alternativa para mulheres vítimas de abuso, ou mesmo que não se vêem aptas a cuidar da criança, seja qual for o motivo.

A partir do momento em que elas escolhem a adoção, surgem novos desafios. Porém, também se abre a oportunidade para que esse bebê encontre uma família que possa acolhê-lo, criá-lo e amá-lo. Há muita coragem por trás da decisão de seguir uma gestação por vezes indesejada e mesmo fruto de violência, optando pela manutenção da vida desse bebê. A adoção é um caminho lindo.

Continua após a publicidade

Nenhuma mulher deveria ser julgada por tomar essa decisão. Nesse momento tão frágil e difícil, ela na verdade merece ser acolhida, compreendida e respeitada. 

Sabemos que há situações em que, ao manifestar interesse na entrega voluntária, a mãe é drasticamente condenada – tanto por familiares quanto por equipes de saúde. Essa realidade não pode continuar e escancara a falta de preparo de profissionais e do governo ao lidar com a questão de forma ética e sigilosa, e mostra o quanto esse assunto ainda é tabu. 

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Em primeiro lugar, devemos capacitar os profissionais que auxiliarão a mulher no processo da entrega, a começar por médicos e enfermeiros do pré-natal. Essa capacitação precisa estar relacionada não simplesmente à aspectos técnicos, como saber escrever relatórios, mas também a como receber essas mulheres. 

De acordo com o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento, existem cerca de 29 780 crianças acolhidas, sendo que 4 150 estão disponíveis para adoção. E pasme: há 32 923 pretendentes disponíveis. A grande questão é que a maioria esmagadora das pessoas deseja crianças abaixo de 4 anos, sem deficiência ou doenças e sem irmãos – o que corresponde a uma fração pequena. 

É necessário que seja estimulada a adoção das crianças atualmente marginalizadas. Se você tem interesse em acolher uma criança, procure a Vara de Infância e Juventude da sua região para compreender os próximos passos. 

O Brasil tem muito a caminhar rumo à melhora nos processos de adoção. 

Klara, a você: sinto muitíssimo pela violência física, psicológica e emocional que passou, mas te admiro imensamente por trazer à tona este tema tão importante! 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês