Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Kelly Oliveira Pediatria Descomplicada Pediatria Descomplicada Garantir saúde, carinho e bem-estar na infância. Esse é o objetivo de cada linha escrita por Kelly Oliveira, pediatra e consultora internacional de amamentação.

Mas o que é ser uma mãe “suficiente”?

Está chegando o Dia das Mães, e nossa colunista faz uma reflexão sobre o que é se doar para um filho, um processo único que não comporta comparações

Por Kelly Oliveira 7 Maio 2022, 11h33

Todas, ou pelo menos a maioria das mães ao ler este texto, passaram por isso: assim que descobrimos a gravidez, iniciamos a saga nas redes sociais procurando roupinhas e dicas de sono e de rotina e passamos a acompanhar outras mães no Instagram.

E, tão logo entramos no mundo da maternidade, deparamos com fotos e histórias de mães que amamentam por pelo menos dois anos, conseguem manter a casa impecavelmente limpa, deixam seus filhos sempre arrumados e de cabelos penteados e ainda os fazem comer todos os vegetais do prato. É difícil não se comparar, e aí acabamos vivendo a “síndrome da mãe insuficiente”.

Eu, e talvez você também, não conseguimos acompanhar esse “alto padrão”, e, honestamente, se esse for o padrão-ouro da maternidade, definitivamente não sou mãe o suficiente. No final das contas, não poderia nem me considerar uma boa mãe.

Mas, calma lá, quando olho para minhas filhas com um sorriso sincero no rosto, aprendendo coisas novas a cada dia, e converso com outras mulheres que se sentem “insuficientes” como eu, concluo que o sonhado patamar que muitas mães tentam alcançar é irreal.

A sociedade de comparações tem criado uma batalha entre mães. Além dos padrões exigidos, há um monte de pontos de discussão: amamentação X mamadeira; chupeta X chupar o dedo; telas X livros; introdução alimentar tradicional X método BLW. Tudo é motivo para comparação.

+ LEIA TAMBÉM: Os artigos da pediatra Kelly Oliveira no blog Pediatria Descomplicada

Só que, no meio dessa luta, quem realmente perde são as próprias mães, que insistem em ignorar a individualidade de seus filhos em prol da moda do momento. Em artigo publicado no livro Are You Mom Enough, a americana Christine Hoover diz o seguinte:

“Existe um perigo inerente em reunir mães em um quarto: imediatamente comparamos os marcos, as personalidades e os hábitos de sono de nossos filhos. Na verdade, estamos comparando a nós mesmas, imaginando se somos boas mães. […] Até pararmos de nos comparar ou de dizer a outras mães que elas deveriam ser mães de acordo com nosso jeito, vamos passar nosso tempo juntas nos sentindo isoladas e condenadas.”

A verdade é que todas as mães têm o mesmo objetivo: criar os filhos para serem seres humanos respeitosos, responsáveis, inteligentes e capazes de contribuir para um mundo melhor. Capazes de realizar seus próprios sonhos e serem felizes.

Por isso, essas discussões entre as mães não deveriam nem sequer existir. Não se trata de competição, mas de construção. A causa é maior. Então, imagine se, em vez de comparações e comentários destrutivos, cultivássemos empatia e acolhimento?

+ CONFIRA TAMBÉM: Dicas de presentes saudáveis para o Dia das Mães

A maternidade já é um período especialmente desafiador. O que nós, mães, precisamos fazer é dar as mãos e apoiarmos umas às outras, ao invés de julgar a criação dos filhos alheios. Construir em vez de destruir.

Mas, afinal, qual é a melhor forma de maternar? Como posso ser uma mãe suficientemente boa? Como saber o que é melhor para os meus filhos diante de tanto palpite?

Continua após a publicidade

A resposta é: depende. Depende de você e sua família, suas crenças e circunstâncias.

Amamentar até os 2 anos é o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e proporciona incríveis benefícios para o bebê e para a mãe. No entanto, existem mulheres que retornam ao trabalho e não conseguem manter a produção de leite ou que estão exaustas com o processo de acordar na madrugada com uma criança associando o peito ao sono.

Da mesma forma, munida de todas as evidências em relação aos riscos e vantagens da chupeta, uma mãe pode decidir oferecê-la ao seu bebê. E eu pergunto: essas mães são menos mães? CLARO QUE NÃO! São simplesmente mulheres que estão buscando prover o que é melhor para sua família e para si mesmas.

Além disso, precisamos considerar que cada criança é um ser único, diferente do outro. Para quem tem mais de um filho em casa, é fácil perceber que as ferramentas usadas na disciplina e no ensino de um podem não funcionar para o outro.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

O estabelecimento da rotina e do momento de dormir pode ser mais tranquilo quando se tem uma criança que adormece no berço, mas pode ser um trabalho árduo quando o bebê chora diariamente com cólicas. Por essa razão, não podemos estabelecer um padrão. Nunca.

As crianças, ainda que compartilhando o mesmo pai e a mesma mãe, são tão diferentes. E sabe de uma coisa? Essa é a maior beleza que podemos desfrutar ao criar os filhos. É uma forma de mostrar a todos os pais (e mães, principalmente) que não há motivo nenhum para se atordoar com comparações.

Compartilhe essa matéria via:

Sem o mito da mãe perfeita

Sabe o que você pode fazer todas as vezes que ver aquela mãe aparentemente perfeita e autossuficiente?

Primeiro, entender que todas (repito: TODAS) as mães têm suas dificuldades. Pode ser que não compartilhem as mesmas lutas que você, mas certamente lutam. Quando olhamos o outro pelos olhos do outro, podemos enxergar suas dores também. Comece a enxergar com esse olhar, porque, onde tem amor de mãe, não cabe julgamento.

Segundo, não coloque seu filho numa caixinha. Entenda que ele é único e, ao tentar moldá-lo para entrar nessa caixa, você pode prejudicá-lo. Confie no potencial dele. Precisamos dar colo, carinho, incentivo e segurança. O maior combustível para ele alçar voos mais altos.

Terceiro e último: entenda que você está fazendo seu melhor, e isso sim é ser mãe suficiente. Tenha por certo que o seu filho sabe quanto você o ama. Quanto se esforça e até mesmo quanto você se culpa. Ele sente o seu amor em cada gesto diário, seja ninando em seu colo, seja dando de mamar em madrugadas insones, seja cuidando dele quando está doente.

Você é a melhor mãe que seu filho poderia ter. Embora não seja perfeita, você é a mãe suficiente. E isso basta.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês