Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Papo de Impacto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

À frente da SAS Brasil, as empreendedoras sociais Adriana Mallet e Sabine Bolonhini ajudam a ampliar o acesso à saúde especializada por meio da tecnologia. Neste espaço, trazem cases, inspirações e reflexões para mudarmos o mundo
Continua após publicidade

A revolução da inteligência artificial e como gerar impacto na saúde

Essa ferramenta tem tudo para se tornar um dos grandes marcos da Humanidade. A questão é como usá-la para beneficiar a saúde de forma igualitária

Por Sabine Zink e Adriana Mallet
Atualizado em 6 fev 2024, 11h14 - Publicado em 6 fev 2024, 11h11

Eu não sei se teria jeito mais potente de começar o ano! Em janeiro, eu e a Adriana fomos as únicas mulheres, empreendedoras da área de saúde, a representar o Brasil na 54ª edição do Fórum Econômico Mundial, evento mundial que reúne líderes globais para discutir as questões mais urgentes enfrentadas em todo o mundo. 

Foi nossa segunda vez, em Davos, Suíça. A primeira, em 2022, para receber o prêmio de Empreendedora Social do Ano pelo projeto de acesso à saúde com unidades de telemedicina avançada, um exemplo pioneiro de como a telessaúde pode ser utilizada para resolver a falta de acesso a médicos especialistas. Essa, aliás, é uma carência que atinge cerca de 65 milhões de pessoas no Brasil. 

+Leia também: Inteligência artificial na saúde: o Brasil na rota das pesquisas

Já desta vez, fui como palestrante convidadas pela Fundação Schwab, no painel: The Impact Opportunity of Artificial Intelligence” – em tradução livre, a oportunidade de gerar impacto com inteligência artificial.

Continua após a publicidade

E, realmente, entre os diversos temas discutidos em Davos, o mais relevante e transversal foi a inteligência artificial (IA). Suas aplicações e implicações, do mercado de trabalho à educação e, é claro, também na saúde. 

No painel do qual participamos ao lado de outros empreendedores sociais e VPs de grandes empresas, saímos com algumas percepções: 

  • A IA talvez seja a maior disrupção que a sociedade moderna já viu 
  • Ela trará mais eficiência, produtividade e vai mudar as dinâmicas de trabalho de diferentes setores (E, no setor de saúde, o mesmo vai acontecer) 
  • A questão é que as mudanças provocadas pela IA não são necessariamente positivas para o tema que temos debatido nesta coluna: o acesso à saúde. E foi essa discussão que apresentamos em nosso painel. 

A reflexão proposta foi construída a partir da visão de que inovações nem sempre levam a melhor acesso, a não ser que sejam desenvolvidas e aplicadas com essa intenção. E esse não é o caso da IA dos modelos atuais. 

Continua após a publicidade

As bases de dados que alimentam estes modelos já são enviesadas. Deixam de fora uma parcela imensa da população que nunca nem teve acesso a uma consulta com registro clínico em prontuário eletrônico.

Um exemplo é a SAS Brasil, nossa startup social que atua desde 2013 levando atendimento gratuito para regiões sem acesso à saúde especializada no país. Ela está desenvolvendo o algoritmo de IA para detecção de câncer de colo de útero a partir do banco de imagens de colposcopias. 

Grande parte do trabalho está sendo feito para garantir que as imagens que alimentam o banco sejam representativas da população brasileira, com termos de ética e consentimento sobre o uso dessas imagens.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Outra reflexão importante é o fato de que praticamente todos os modelos de IA na saúde são utilizados para trazer mais eficiência para o diagnóstico, seja analisando tomografias, ressonâncias magnéticas, imagens de raio-X, entre tantos outros. 

O questionamento aqui é: garantir mais produtividade em diagnósticos é o que vai de fato mudar o jogo no setor da saúde? Ou esse ganho de eficiência é como um carro indo três vezes mais rápido no sentido errado?

Continua após a publicidade

Não que os diagnósticos não sejam importantes. Mas a complexidade e o gargalo do acesso são tão anteriores à avaliação de imagens para confirmação de diagnósticos que acreditamos que a grande revolução da IA na saúde seria olhar para outras fases da jornada de pacientes, principalmente para aquelas que alavancam acesso.

Para nós, o mais importante é que o debate sobre a IA também considere o impacto positivo que ela pode ter. Desde que seja aplicada intencionalmente para isso. 

Ainda não temos as respostas, mas sabemos que a intenção de inovar em prol de uma saúde com mais equidade é o caminho para a transformação que acreditamos para o setor.

Continua após a publicidade

Foi isso que nos trouxe até aqui: mais saúde para cada vez mais gente no nosso país. Junto do SUS e com muito acolhimento!  A missão agora é escalar o impacto da SAS para além da organização social.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.