Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Inteligência artificial na saúde: o Brasil na rota das pesquisas

Ceará passa a sediar centro de estudos sobre a promissora tecnologia. Aplicações englobam melhora do diagnóstico e do acompanhamento de pacientes

Por Francisco Cavalcanti e Kenneth de Almeida, pesquisadores*
Atualizado em 19 abr 2023, 10h47 - Publicado em 19 abr 2023, 10h47

Nos últimos anos, o meio acadêmico, o setor produtivo e a sociedade como um todo têm assistido, muitas vezes apenas como consumidores, à introdução massiva e crescente de tecnologias de inteligência artificial (IA) no cotidiano. Há claras evidências de que atingimos um ponto sem retorno, dada a velocidade com que tais tecnologias têm sido apresentadas e incorporadas.

Embora não seja exagerado ou prematuro afirmar que a IA representa um avanço tecnológico com alto poder de transformação social e econômica, é preciso levar em consideração o tempo e as discussões nos fóruns necessários para que se estabeleçam parâmetros, limites e critérios para a utilização dela no dia a dia.

Enquanto isso, é natural que governos, universidades e empresas se unam para conduzir pesquisas que dirijam tal impacto no sentido do bem-estar da população. E a área da saúde é uma das que mais podem se beneficiar dessa vanguarda.

É nesse contexto que o Centro de Referência em Inteligência Artificial (CEREIA), instalado em Fortaleza, inicia suas atividades em março de 2023 com foco no estudo e na aplicação de IA em saúde. Fruto da parceria entre a Universidade Federal do Ceará (UFC), o Grupo Hapvida NotreDame Intermédica e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o CEREIA segue em busca de soluções para problemas práticos e relevantes.

+ LEIA TAMBÉM: 10 tendências na era da saúde digital

Entre as linhas de pesquisa definidas, estão:

Continua após a publicidade

Doenças Crônicas: como algoritmos podem ajudar a prever a ocorrência de doenças a partir do monitoramento da sequência de procedimentos médicos realizados por um paciente ao longo do tempo, por informações demográficas e condições pré-existentes;

Exames radiológicos: por meio de métodos baseados em inteligência artificial, o objetivo é apoiar o diagnóstico em exames como tomografias por meio da detecção de anormalidades;

Engajamento de pacientes: engloba o uso de Assistentes Virtuais Inteligentes como instrumento para auxiliar programas de prevenção e promoção à saúde, focando em técnicas que aumentem a adesão dos pacientes a tratamentos prolongados;

Monitoramento remoto: consiste no desenvolvimento de sistemas de monitoramento inteligente em hospitais a partir de parâmetros vitais, como frequência cardíaca, pressão arterial e intracraniana, saturação de oxigênio, entre outros. Em conjunto com técnicas de monitoramento remoto, tais dados poderão reconhecer padrões para identificar ocorrências de quedas, espasmos e convulsões;

Anamnese assistida: soluções baseadas em inteligência artificial para auxiliar o processo de avaliação médica focando em estruturar os dados, encontrar padrões e recomendar possíveis diagnósticos;

Continua após a publicidade

Democratização da ciência de dados: tornar a ciência de dados em saúde mais amigável e acessível ao público leigo é a última e mais importante linha de pesquisa a ser realizada pelo CEREIA.

No centro, serão investigados temas como análise automatizada de imagens médicas, interfaces cérebro-máquina, detecção e classificação de patologias, análise de dados epidemiológicos, detecção e classificação de movimentos… Ao habilitar inovações com aplicabilidade prática, cada uma das linhas de pesquisa tem potencial para proporcionar uma melhor qualidade de vida para a população.

Por fim, vale ressaltar o impacto no mercado de trabalho. Ao capacitar profissionais na área da TI (tecnologia da informação) no Nordeste do país, a iniciativa tonifica a atividade econômica na região, criando oportunidades e estimulando o desenvolvimento da região.

Compartilhe essa matéria via:

* Francisco Rodrigo Porto Cavalcanti é pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal do Ceará (UFC); Kenneth Nunes Tavares de Almeida é diretor-executivo de Pesquisa & Desenvolvimento e Educação do Grupo Hapvida NotreDame Intermédica

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.