Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Futuro do Diabetes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista, pesquisador da USP de Ribeirão Preto e criador do Endodebate e do Diacordis. Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do diabetes
Continua após publicidade

Exercício no lazer pode retardar quadro de demência naqueles com diabetes

Estudo brasileiro aponta que a atividade física frequente adia o aparecimento de déficits cognitivos (como perda de memória) nessas pessoas

Por Carlos Eduardo Barra Couri
Atualizado em 8 jan 2024, 18h30 - Publicado em 8 jan 2024, 17h42

A elevação acima do normal de glicose no sangue que marca o diabetes pode comprometer diversos órgãos e sistemas. Muitos já conhecem bem a relação dessa doença com infarto do coração, derrame cerebral, insuficiência renal, úlceras nos pés, problemas nos olhos etc. Mas poucos sabem do elo entre ela e quadros de demência, inclusive a doença de Alzheimer

Sim, o diabetes está associado a um maior risco de perda de memória e outras capacidades mentais, mas não sabemos ainda os mecanismos que levam a essa complicação.

Já os exercícios físicos são considerados “remédios” por atuarem em diversos pontos da saúde humana: humor, fortalecimento muscular, redução de eventos cardiovasculares, controle da glicose e da pressão arterial… 

+Leia também: 8 dicas para cuidar da alimentação de quem tem Alzheimer

Continua após a publicidade

Eis que uma pesquisa brasileira juntou essas duas pontas para trazer mais informação sobre os efeitos do exercício físico naqueles com diabetes. Trata-se do estudo ELSA, que incluiu 15 105 participantes com idade média de 51 anos, sendo que 15% possuíam diabetes.  

Após um seguimento de cerca de oito anos, os pesquisadores observaram que o declínio cognitivo foi muito mais rápido naqueles com diabetes e naqueles com sedentarismo. A combinação desses dois fatores, então, foi explosiva, aumentando ainda mais o risco de déficits cognitivos ao longo dos anos. 

A boa notícia é que, quando analisamos os participantes que fazem atividade física na hora do lazer por mais de 150 minutos por semana (em intensidade moderada a intensa), nota-se uma maior lentidão da perda dos déficits cognitivos. Para ser mais exato, suar a camisa gerou um atraso médio de 2,7 anos no diagnóstico de declínio cognitivo. 

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Ou seja, os exercícios poderiam ajudar a preservar as habilidades mentais de pessoas com diabetes, o que imagino ser um estímulo adicional para essas pessoas largarem o sedentarismo. 

E você que tem diabetes, já iniciou os exercícios físicos em 2024? 

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.