Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Falar Inspira Vida

Neste espaço, especialistas e articulistas vinculados ao Movimento Falar Inspira Vida promovem orientações e discussões sobre cuidados com a saúde mental e o controle de doenças como a depressão
Continua após publicidade

Corpo e mente no mesmo compasso: é possível?

Paciente com esclerose múltipla reflete sobre o impacto de doenças crônicas na saúde mental e vice-versa

Por Bruna Rocha, diretora das ONGs AME e CDD*
19 jan 2023, 18h11

Em 2000, eu recebi o diagnóstico de esclerose múltipla (EM), uma doença sem cura que pode provocar variados sintomas, de dificuldade de locomoção a um cansaço extremo.

Apesar dos bons tratamentos que temos hoje em dia, eu não vou negar que é desafiador lidar com uma doença como essa. Já sofri bastante e cheguei a ter depressão – hoje em dia, cuido muito de mim para preservar meu bem-estar mental.

Mas o curioso é que esse tipo de experiência – aliado ao meu trabalho nas ONGs Amigos Múltiplos pela Esclerose (AME) e Crônicos do Dia a Dia (CDD), no qual convivo diariamente com pessoas com diferentes doenças crônicas – também me abriu os olhos para o sentido oposto dessa relação entre doença crônica e saúde mental.

Ou seja, se a minha doença crônica pode afetar minha saúde mental, será que doenças psiquiátricas não são capazes de comprometer o bem-estar físico de quem as têm?

Continua após a publicidade

E a resposta é um sonoro sim. A própria Veja Saúde, que gentilmente cedeu esse espaço para as minhas palavras, já abordou o assunto em 2014, apontando como a depressão, por exemplo, pode comprometer a saúde cardiovascular.

Diversas outras reportagens e pesquisas científicas corroboram essa afirmação, para diferentes enfermidades, da esquizofrenia ao borderline.

Alguns estudos apontam, inclusive, fatores fisiológicos para isso, como possíveis processos inflamatórios desencadeados por transtornos psiquiátricos que reverberariam no resto do organismo.

Continua após a publicidade

+ Leia também: “Você vai vencer como eu estou vencendo”: o que é a esclerose múltipla

Mas deixo esse assunto para os especialistas na área. Do meu ponto de vista – de pessoa com uma doença crônica que busca compreender as jornadas de outras em situação parecida –, vale a pena destacar o efeito de uma condição psiquiátrica no dia a dia.

Antes de tudo, essas doenças dificultam a adoção de hábitos equilibrados. Algumas, como a depressão, podem tirar a motivação para se exercitar ou se alimentar bem. Outras, como o TDAH, comprometem a elaboração e a execução de planos, o que é importante para aderir a um estilo de vida saudável no longo prazo. O resultado é o risco elevado para diferentes enfermidades, de diabetes a hipertensão.

Continua após a publicidade

O estresse e as angústias de uma condição psiquiátrica também podem se manifestar no corpo. Não são incomuns os casos de pessoas que apresentam sintomas na pele, ou que têm quadros como de dermatite atópica piorados. Há ainda aqueles que desenvolvem infecções mais severas diante do alto grau de tensão psíquica que enfrentam.

Além disso – e muito por causa da discriminação –, pessoas com transtornos psiquiátricos têm dificuldade para se posicionar bem no mercado do trabalho. E, na nossa sociedade, a falta de recursos financeiros infelizmente é sinônimo de maior dificuldade para prevenir doenças ou para tratá-las adequadamente.

Mas acho importante trazermos uma mensagem otimista aqui – e, sim, isso é possível! Assim como o tratamento da minha esclerose múltipla me ajudou a ter uma vida plena, dentro das minhas individualidades, a abordagem adequada de doenças psiquiátricas aumenta as chances de as pessoas alcançarem a saúde integral.

Continua após a publicidade

Para isso, é importante buscar aconselhamento, informações de qualidade e profissionais de saúde.

+ Leia também: Esporte é remédio no tratamento da esclerose múltipla

Também é necessário participar cada vez mais do debate público sobre a assistência em saúde no nosso país. Temos o Sistema Único de Saúde (SUS), que é uma conquista incrível, mas precisamos batalhar para aprimorá-lo e para que ele abra espaço, de fato, às pessoas com condições crônicas de saúde.

Continua após a publicidade

É por isso que, na CDD e na AME, atuamos firmemente com o advocacy e, inclusive, buscamos melhorias por meio de projetos como o “A Regra É Clara”. Também trazemos informações confiáveis e estamos abertos para ouvir todos – é só nos visitar no site ou nas redes sociais.

Por fim, quero deixar algumas estratégias que vêm me ajudando a manter o equilíbrio mental:

● Não se cobre ou se culpe tanto
● Seja produtivo no seu tempo dedicado ao trabalho. Quanto mais e melhor você fizer em uma hora, mais horas terá para si
● Compartilhe o que sente com quem você gosta
● Valorize atividades divertidas e relaxantes, como meditação, leitura, jogos etc.
● Procure orientação profissional

Um ótimo Janeiro Branco a todos!

*Bruna Rocha tem doutorado e pós-doutorado em Educação e mestrado em Comunicação Social, ambos na linha de estudos culturais, com pesquisas relacionadas à educação em saúde, condições crônicas de doença e compartilhamento de experiências pessoais. É vice presidenta da Amigos Múltiplos pela Esclerose (AME)e diretora da Crônicos do Dia a Dia (CDD)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.