Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vírus Epstein-Barr pode estar por trás da esclerose múltipla

Presença de patógeno está ligada a aumento de 32 vezes no risco da doença

Por Chloé Pinheiro Atualizado em 30 mar 2022, 16h34 - Publicado em 30 mar 2022, 16h21

Depois de anos de investigação, um estudo vem apontar o dedo para a íntima relação entre o vírus Epstein-Barr e a esclerose múltipla, doença neurodegenerativa capaz de gerar fadiga crônica e prejuízos à visão e à locomoção.

A análise envolveu dados de 10 milhões de militares americanos em um período de 20 anos. Conclusão: depois do contato com o patógeno, explodia o risco de ser diagnosticado com a condição.

“A teoria é que a ação do vírus em nosso genoma interfira no sistema imune, favorecendo a agressão do próprio corpo ao cérebro”, explica o neurologista Mateus Boaventura, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

A expectativa é que, no futuro, vacinas possam deter o agente e reduzir o risco da esclerose múltipla.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

O Epstein-Barr

Vírus é extremamente comum:

  • O que ele causa?
    Provoca a doença do beijo, ou mononucleose, que atinge mais jovens e dá dor de garganta, inchaço nos gânglios, tosse e perda de apetite.
  • Como é transmitido?
    Pela saliva, e é bem difícil não pegar. Estima-se que 95% das pessoas tenham tido contato com ele alguma vez na vida.
  • Sempre dá sintomas?
    Não, mas o novo estudo revela que o risco de esclerose múltipla (EM)é maior entre quem chegou a desenvolver manifestações da infecção.
  • Ele provoca EM?
    Aqui cabe uma ponderação: a doença é multifatorial. O vírus atuaria como um gatilho em pessoas geneticamente suscetíveis a ela.

Aplicativo apoia a rotina de quem tem a doença

Estima-se que 40 mil brasileiros convivam com a esclerose múltipla. Embora ela seja progressiva e não tenha cura, o diagnóstico e o tratamento adequado são capazes de amenizar crises e retardar a piora do quadro.

Medicamentos e sessões de fisioterapia são fundamentais, mas o monitoramento constante dos próprios sintomas também é importante para detectar cedo algum sinal de atenção.

Aí que entra o Cleo, aplicativo de celular gratuito criado pela Biogen, agora disponível no país. No programa, o usuário tem acesso a conteúdos sobre a doença e o tratamento e mantém um registro do humor e das condições de saúde. E depois pode dividir tudo com o médico.

esclerose múltipla
Informações do app podem ser compartilhadas com o médico. Ilustração: SAÚDE/SAÚDE é Vital
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês