Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Vale a pena substituir a carne de verdade pela versão plant-based?

Estudo indica que "carnes" e "laticínios" feitos a partir de plantas são mais saudáveis do que os produtos de origem animal, mas cabem ressalvas

Por Marcella Garcez, nutróloga*
16 ago 2022, 09h44

Produtos de origem vegetal que simulam carnes e o leite e seus derivados têm se popularizado pelo mundo, sobretudo entre quem deseja reduzir ou evitar o consumo de alimentos de origem animal. Feitos à base de plantas, eles buscam replicar a experiência sensorial dos originais. E, segundo uma nova revisão de estudos, as versões plant-based são alternativas realmente mais saudáveis e sustentáveis.

Será mesmo? Antes de entrarmos nas ressalvas, vamos entender o que esse trabalho, publicado no periódico técnico Future Food, diz. De maneira geral, os autores apontam que a produção de alimentos à base de plantas requer menos terra, água e poluentes do que os alimentos de origem animal. Bom para o planeta!

Pensando na saúde em si, concluiu-se que os produtos de matriz vegetal possuem melhor perfil nutricional (especialmente nos teores de gordura, colesterol e fibras) e podem beneficiar a perda de peso, o ganho de massa e a prevenção de doenças crônicas. Outro ponto: o cultivo de plantas não colabora com a resistência aos antibióticos da mesma forma que a pecuária, e essa é outra ameaça global.

Na revisão, observou-se que 90% dos consumidores de produtos plant-based são flexitarianistas, isto é, comem carne e laticínios, mas buscam reduzir seu consumo. Então é notável como esses alimentos ganham espaço na rotina para facilitar mudanças de hábito e dieta.

+ LEIA TAMBÉM: Entenda o fenômeno plant-based

Mas cabem algumas ponderações. Os pesquisadores compararam produtos à base de plantas com aqueles de origem animal substituídos por eles. Isso não significa que sempre serão mais saudáveis.

Alimentos ultraprocessados, mesmo plant-based, serão provavelmente piores do ponto de vista nutricional que aqueles minimamente processados de origem animal. Exemplo: um hambúrguer vegetal industrializado tende a ser menos balanceado que um filé de frango ou um bife bovino magro.

Os ultraprocessados em geral contam com percentual elevado de corantes, aromatizantes e conservantes, utilizados em vários produtos plant-based. Estão longe de ser tão equilibrados como suas matérias-primas in natura (ervilha, soja, grão-de-bico…). Assim, é preciso prestar atenção no rótulo na hora da compra ou apostar mais em preparações caseiras.

Quer uma alternativa à proteína da carne? Que tal investir mais em leguminosas, oleaginosas e sementes, que, quando combinadas a cereais como arroz e milho, nos garantem os aminoácidos essenciais ao organismo. Receitas caseiras de leite de aveia, arroz e amêndoa podem substituir o leite de vaca e demais laticínios.

Continua após a publicidade

Em paralelo, a indústria está aperfeiçoando a experiência sensorial e as propriedades nutricionais das opções plant-based. Com a popularidade da categoria, é de imaginar que as inovações não vão demorar a surgir.

Compartilhe essa matéria via:

* Marcella Garcez é médica nutróloga, diretora e docente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e pesquisadora do Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.