Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Queda de cabelo pode estar associada à pandemia de Covid-19

Tanto a infecção pelo coronavírus como uma alimentação desequilibrada e o estado emocional abalado prejudicam a saúde dos fios, alerta dermatologista

Por Daniel Cassiano, dermatologista*
Atualizado em 18 Maio 2021, 10h59 - Publicado em 17 Maio 2021, 10h12

A queda de cabelo é uma das queixas mais frequentes no consultório dermatológico. E ela tem se tornado ainda mais comum neste momento da pandemia de Covid-19. O principal diagnóstico é o chamado eflúvio telógeno, nome que se dá ao encurtamento do ciclo de vida dos cabelos.

O fio tem três fases: anágena (fio em crescimento), catágena (fio maduro ainda no folículo) e telógena (fio em queda já destacado do folículo). A maioria dos fios está em fase de crescimento no couro cabeludo. O tal eflúvio telógeno ocorre quando, por alguma razão, os fios que deveriam estar em fase de crescimento pulam para a fase de queda.

Naturalmente, há uma queda fisiológica de fios, que pode ser de até cem deles por dia. Se você notar uma queda significativa e a diminuição do volume dos cabelos, deve investigar o que está acontecendo com um especialista. Inclusive agora na pandemia, quando temos razões a mais que podem estar por trás.

No cenário atual, a queda de cabelo pode até estar diretamente relacionada à infecção pelo coronavírus e ao estado de pós-Covid. Sabemos que a Covid-19 gera uma infinidade de complicações, entre pulmonares, cardíacas e dermatológicas. E também sabemos que a perda de cabelos é um fenômeno bem descrito após qualquer estresse fisiológico mais intenso.

Embora não tenhamos ainda um estudo científico de causa e efeito para a nova doença, situações de infecção e alta inflamação são comumente ligadas ao eflúvio telógeno, geralmente cerca de três meses depois do adoecimento.

Continua após a publicidade

Na pandemia, o bem-estar mental dos pacientes também está mais abalado. Muitas pessoas vivenciaram estresse e uma situação traumática de luto com a Covid-19. E está bem documentado que a tensão e a tristeza desencadeadas por esses momentos alteram o ciclo sono-vigília e os hábitos em geral, um contexto que acentua a queda de cabelo.

Por fim, dados indicam que não são poucos os brasileiros que mudaram seu padrão alimentar com a crise da Covid-19. O alerta aqui se deve ao fato de que dietas restritivas ou desequilibradas podem comprometer a obtenção de energia e o funcionamento do organismo, afetando a nutrição e a oxigenação de tecidos como pele e cabelo. Não é à toa que um dos principais sintomas de uma alimentação deficitária é a queda dos fios.

Pesquisas mostram que, com relação à nutrição, anemia e deficiência de zinco, vitamina B12 e vitamina D podem ser causas de eflúvio telógeno. E que o excesso de açúcar na dieta também prejudica a saúde dos folículos capilares, aumentando o risco dessa condição.

Continua após a publicidade

O que fazer diante disso tudo? Embora o eflúvio seja um quadro temporário, pode ser angustiante. Em primeiro lugar, recomendamos uma nutrição adequada, especialmente com alimentos ricos em proteínas, vitaminas e minerais. Alguns suplementos, quando bem indicados, podem ajudar a restaurar a integridade do cabelo e atenuar a queda.

Cuidar do estado emocional e, nos casos de Covid-19, receber toda a assistência médica necessária também são medidas fundamentais para manter a saúde (e os fios) em paz. O eflúvio telógeno é uma condição indolor, que vem sem outros sintomas, como coceira e descamação. No entanto, a melhor forma de identificá-lo e tratá-lo é com a ajuda de um dermatologista.

* Daniel Cassiano é dermatologista, professor da Universidade São Camilo, em São Paulo, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e cofundador da clínica GRU Saúde, em Guarulhos

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.