Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Olho no rótulo! Como reconhecer um alimento “falso saudável”?

Nem todo produto que alega propriedades nutricionais é exemplo de equilíbrio. Nutricionista alerta para ciladas em sucos, biscoitos e barras de cereal

Por Alessandra Luglio, nutricionista*
10 ago 2022, 17h05

Vira e mexe, ao passearmos pelos corredores dos supermercados, deparamos com produtos com alegações ditas “saudáveis” nas embalagens. “Integral”, “rico em fibra”, “mais vitaminas e minerais”, “zero glúten e lactose” são algumas das expressões utilizadas, sem falar em “light” ou “diet”. Mas atenção: nem sempre essas qualificações significam que aquele alimento é equilibrado e saudável.

Sim, hoje vemos muito por aí o que pode ser chamado de “falso saudável”. O produto até tem mais uma coisa ou menos outra, só que são feitas mudanças em sua composição original para melhorar o sabor, a textura, a aceitação e a durabilidade. Nesse processo, é comum a indústria elevar o teor de açúcar, sódio, gordura e aditivos.

Mas como saber se o que eu coloco no carrinho é saudável de fato? O primeiro passo é saber a diferença entre um alimento in natura ou minimamente processado, processado e ultraprocessado. Depois, aprender a ler os rótulos e transformar isso em hábito.

Vamos ao primeiro ponto. O Guia Alimentar para a População Brasileira, utilizado pelo Ministério da Saúde, classifica os alimentos em categorias de acordo com seu grau de processamento:

Continua após a publicidade

In natura e minimamente processados: os primeiros são alimentos obtidos diretamente da natureza sem que tenham sofrido qualquer tipo de alteração, como frutas, legumes e verduras. E os minimamente processados são aqueles submetidos a alterações mínimas, como grãos secos, moídos e/ou empacotados e vegetais lavados, selecionados e/ou congelados. As duas classes devem ser priorizadas na rotina.

Processados: são alimentos produzidos essencialmente com a adição de sal ou açúcar, como legumes em conserva, frutas em calda e pães. Devem ser consumidos com moderação.

Ultraprocessados: são produtos cuja fabricação envolve diversas etapas e técnicas de processamento e vários ingredientes, incluindo sal, açúcar, óleos, gorduras e aditivos. Por conta da formulação mais palatável, tendem a ser consumidos em excesso. Exemplos: refrigerantes, biscoitos recheados, salgadinhos de pacote, macarrão instantâneo, doces e guloseimas. O guia orienta evitá-los.

Continua após a publicidade

Agora que você sabe que tipo de alimento merece fazer mais ou menos parte do dia a dia, podemos focar na leitura dos rótulos. Neles constam diversas informações, algumas bem técnicas, porém boa parte da população só olha para a data de validade e as calorias. O mais importante, porém, é checar a lista de ingredientes.

+ LEIA TAMBÉM: O que deve mudar no rótulo dos alimentos no Brasil

Por lei, a lista deve aparecer nos rótulos de alimentos embalados que possuem mais de um ingrediente. Geralmente, fica na parte de trás ou nas laterais dos produtos e próxima à tabela nutricional.

Continua após a publicidade

Os ingredientes, obrigatoriamente, devem aparecer em ordem decrescente de composição, ou seja, o primeiro ingrediente que aparece na lista é o que está presente em maior quantidade. No final da lista são descritos os aditivos alimentares, que seguem a mesma regra do “maior para menor em quantidade”.

Uma forma prática de distinguir alimentos ultraprocessados de alimentos processados é consultar a lista de ingredientes. Um número elevado de ingredientes (frequentemente cinco ou mais) e a presença de aditivos com nomes pouco familiares e não usados em preparações caseiras (espessantes, emulsificantes, corantes, aromatizantes, realçadores de sabor etc.) indicam que o produto pertence à categoria dos ultraprocessados. Em geral, são alimentos com maiores níveis de sódio, gordura e/ou açúcar.

Exemplos de “falsos saudáveis”

Para começar, nem todo suco é natural e de verdade. Mesmo que a embalagem traga alegações como “rico em vitaminas e minerais”, abra o olho. A maioria dos sucos de caixinha são, na realidade, néctares: há no máximo 25% da polpa da fruta em si, o restante é água, adoçantes, aromatizantes, corantes… Suco bom é suco 100% integral, sem açúcar adicionado e com um único ingrediente: frutas!

Continua após a publicidade

Outro exemplo: bebidas vegetais. Nem sempre o “leite” feito de cereais e oleaginosas é tão saudável como aparenta. Se a lista de ingredientes for extensa, com espessantes, aromatizantes e adoçantes artificiais, melhor reavaliar a escolha. Há no mercado opções clean label, com poucos ingredientes, sem aditivos e algumas marcas só usam matéria-prima orgânica.

Na lista dos “falsos saudáveis” também aparecem as bolachas “fit” ou “integrais”. Mesmo que tenham farinha integral e cereais na composição, muitas vezes concentram quantidade alta de açúcar e gordura. Por fim, temos barrinhas de cereais e/ou castanhas, em tese uma opção saudável, mas que vêm de fábrica com até três tipos de açúcar, ingredientes refinados e aditivos artificiais. Muito melhor procurar as versões mais naturais.

O intuito aqui não é fazer terrorismo nutricional nem crítica à indústria de alimentos. Hoje, com a população cada vez mais urbana e inserida no mercado de trabalho, alimentos produzidos pela indústria são imprescindíveis e há uma preocupação das empresas em usar alta tecnologia e ingredientes mais naturais para criar produtos mais nutritivos e equilibrados, sem perder a praticidade de vista.

Continua após a publicidade

Isso é muito bom, mas precisamos lembrar que cerca de 85% da nossa alimentação deve vir da natureza. A base de uma alimentação saudável está em frutas, legumes, verduras, leguminosas, sementes e cereais. De alimentos in natura ou minimamente processados. Essa é a principal recomendação para você ter uma dieta promotora da saúde e ambientalmente sustentável.

Compartilhe essa matéria via:

* Alessandra Luglio é nutricionista e consultora científica da A Tal da Castanha

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.