Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

O dia do (novo) médico

Na data que celebra esses profissionais de saúde, um deles analisa para onde caminha o exercício da medicina

Por Leonardo Vedolin, diretor médico da Dasa*
18 out 2022, 08h47

Neste 18 de outubro, o Dia do Médico, quero aproveitar para falar sobre o passado recente e o futuro que já começou em nossa profissão. Por passado recente me refiro ao período mais trágico que a humanidade vivenciou nas últimas décadas, a pandemia.

Felizmente, testemunhamos seus últimos momentos, mas é preciso recordar que, a partir de 2020, a sociedade presenciou incontáveis exemplos de profissionais que colocaram sua vida em risco para exercer o cuidado do outro, superando o medo, a exaustão física e mental e a distância da família.

A medicina inova constantemente desde os tempos de Hipócrates, no século 5 a.C., só que, desta vez, a urgência que a Covid-19 infligiu à população acelerou as transformações, sobretudo para conter a disseminação da doença e diminuir sua letalidade.

Na Dasa, aprendemos, por exemplo, a importância de uma rede de vigilância genômica, capaz de detectar as variantes virais que foram surgindo e representada por nossa iniciativa do Genov.

Continua após a publicidade

Em outra dimensão, o uso da inteligência artificial possibilitou o desenvolvimento de ferramentas para prever a gravidade da doença e plataformas digitais permitiram, em tempo recorde, a educação continuada de milhares de profissionais de saúde.

+ LEIA TAMBÉM: Por que a inclusão digital traz mais qualidade de vida ao idoso

É notável a evolução dos métodos de ventilação mecânica, utilizados em pacientes graves de Covid-19, e do suporte avançado nas UTIs dos hospitais para a manutenção da vida.

Continua após a publicidade

Além disso, as novas tecnologias de informação e comunicação tornaram possível e, principalmente acessível, o uso da telemedicina, modalidade de atendimento que cresceu exponencialmente e garantiu que milhares de pacientes pudessem iniciar ou continuar seu tratamento durante o período de isolamento social.

Conexões mais rápidas e estáveis, possibilitadas pela internet 5G, projetam novas ferramentas como cirurgias à distância, telemonitoramento e expansão de formas de aprendizado, caso do metaverso.

Previsivelmente, a intensa hipertecnologização da medicina é acompanhada por um debate sobre a humanização das relações médico-paciente, tornando e demandando que os profissionais sejam cada vez mais sensíveis, ouvintes e solidários. Na medicina moderna, plena de recursos tecnológicos, a humanização nunca foi tão necessária.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Ao mesmo tempo, percebemos que médicos têm buscado ocupar outros papéis e espaços na sociedade, extrapolando a clínica assistencial, procurando formações e conhecimentos além da medicina tradicional.

Felizmente, o profissional não aceita mais ser mero usuário de tecnologias e dispositivos; agora, ele participa ativamente do seu desenvolvimento, atuando em conjunto com engenheiros, programadores, cientistas de dados e outras áreas de fronteira.

Continua após a publicidade

Esses novos papéis, entretanto, não significam o afastamento da assistência e do consultório. Pelo contrário: ao ampliar o escopo e incorporar tecnologias, o novo médico se torna mais parceiro do usuário na jornada do cuidado. O propósito desse novo profissional é a saúde baseada em valor.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

A simplificação dos processos beneficia o paciente, que ganha autonomia e se empodera; beneficia o médico, dotando-o de ferramentas preditivas, personalizadas e inteligentes; e beneficia todo o sistema de saúde, que ganha gestão otimizada e eficiência.

Continua após a publicidade

Na faculdade de medicina, ouvimos sempre o conselho “nem tanto ao céu, nem tanto ao mar”, indicando a preferência pelo equilíbrio e pelo bom senso. Assim, é promissora a percepção de encontrar nos novos médicos, munidos de novos recursos tecnológicos, o principal sentido da medicina: o cuidado com o ser humano.

* Leonardo Vedolin é diretor-geral médico e de cuidados integrados da Dasa

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.