Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Novas abordagens cirúrgicas para a dor na coluna

Com o diagnóstico correto, esse problema tão comum entre a população pode ser manejado de diversas maneiras, inclusive com cirurgia

Por Antônio Nogueira de Almeida, em parceria com Eduardo Joaquim Lopes Alho, neurocirurgiões*
18 jan 2022, 11h05

A dor lombar acomete oito em cada 10 pessoas ao longo da vida. Apesar de comum, sua origem e tratamento ainda geram dúvidas.

Falta ou excesso de exercícios, assim como movimentos inapropriados, podem machucar o músculo e causar dor. Quando ela irradia para as pernas, pode simular a compressão de nervos, causando confusão no diagnóstico e tratamento.

Outras fontes de dor incluem a hérnia discal, pela compressão do nervo; alterações degenerativas das articulações da coluna (síndrome facetaria); instabilidade segmentar (articulações “frouxas”); e estreitamento do canal vertebral, para citar as mais comuns. O diagnóstico correto é fundamental para definirmos o melhor tipo de tratamento.

O manejo inicial da lombalgia se baseia em programas de reabilitação com fisioterapia e atividades que visam fortalecer e equilibrar a musculatura, além de medicações analgésicas.

Nessa fase, infiltrações e bloqueios anestésicos dos nervos, das articulações e dos grupos musculares, guiados por raio x ou ultrassonografia, podem ser realizados para auxiliar o paciente a realizar o tratamento conservador de maneira mais efetiva.

Compartilhe essa matéria via:

A saída cirúrgica

Em alguns casos, a cirurgia é necessária. Historicamente, procedimentos na coluna eram temidos por pacientes e familiares, tanto pelo risco de sequelas neurológicas como pela intensa dor no pós-operatório, com longos períodos de repouso.

Continua após a publicidade

Essa realidade mudou nas últimas décadas e, hoje, há alternativas mais seguras, com menos dor e menor tempo de recuperação, garantindo o retorno rápido à vida social e ao trabalho.

Dentre as tecnologias mais recentes podemos citar a endoscopia de coluna vertebral, as técnicas percutâneas para retirada do disco intervertebral e as técnicas percutâneas de fixação da coluna.

Deve-se salientar que existem critérios para indicação de cada uma dessas modalidades e que elas não são viáveis em todos os casos.

Além disso, as cirurgias tradicionais também evoluíram. Não só em termos de materiais, que permitem incisões menores e menos manipulação muscular, mas também em relação à segurança, com a monitoração dos nervos e da medula em tempo real.

Existem ainda alternativas para tratar dores causadas por sequelas nos nervos, chamadas de dores neuropáticas. Nessas situações, a cicatriz no nervo causa um “curto-circuito” que gera desconfortos com características incomuns, como queimação, formigamento, sensação de calor ou frio, hipersensibilidade ou mesmo incômodo em um território anestesiado.

LEIA TAMBÉM: Quando é que se indica uma cirurgia para dor nas costas?

A neuromodulação com estímulos elétricos nos nervos ou na medula tem se mostrada cada vez mais uma alternativa para tratar dores complexas.

Apesar das novas técnicas descritas, vale ressaltar: nada substitui uma avaliação clínica detalhada e o diagnóstico correto. A relação humana, a empatia e a boa comunicação também são fundamentais para determinar o caminho a ser tomado.

Afinal, a escolha do tratamento pode variar de acordo com os objetivos e as expectativas do maior interessado no resultado: o paciente.

*Antônio Nogueira de Almeida e Eduardo Joaquim Lopes Alho são neurocirurgiões da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.