Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Hepatites virais: não podemos deixar ninguém para trás

No dia mundial de combate a essas doenças, médico explica como podemos ampliar o controle das hepatites, também prejudicado pela pandemia

Por Paulo Bittencourt, hepatologista*
Atualizado em 8 Maio 2023, 11h03 - Publicado em 28 jul 2021, 10h37

As hepatites virais são causadas por vírus que infectam as células do fígado e podem provocar hepatite aguda, hepatite fulminante, hepatite crônica, cirrose e câncer. São mais conhecidas como hepatites A, B, C, D e E.

As hepatites A e E são de transmissão fecal-oral, adquiridas pelo consumo de água e alimentos contaminados. Causam hepatite aguda, na maioria das vezes assintomática, e, na idade adulta, têm maior risco de evolução para hepatite fulminante.

As hepatites B e C podem causar hepatite aguda e progredir, de forma silenciosa, para hepatite crônica, cirrose e câncer de fígado. A B é transmitida principalmente por via sexual e também por via vertical — da mãe para o bebê durante a gestação ou no parto.

Já a tipo C ocorre principalmente pelo compartilhamento de objetos perfurocortantes contaminados ou não descartáveis: tesouras, alicates de unha ou navalhas não adequadamente esterilizados, agulhas e seringas. A hepatite D, por sua vez, é mais frequente na Amazônia e se manifesta apenas em pessoas com infecção pelo vírus da hepatite B.

O movimento Julho Amarelo chama a atenção para as hepatites virais em todo o mundo, ainda que os cuidados com essas doenças devam se estender pelo ano todo. Hoje na hepatite C, por exemplo, temos uma linha de detecção e tratamento mais efetiva e simplificada, que abrange a maior disponibilidade de testes rápidos nas unidades básicas de saúde (UBS) e a recente introdução de medicamentos antivirais orais que levam à cura da doença após três meses de uso em mais de 95% dos casos.

+ LEIA TAMBÉM: O que o diabetes tem a ver com a hepatite C

Para se ter ideia, ao redor de 1% da população brasileira tem hepatite C, principalmente nas periferias dos grandes centros urbanos.

Continua após a publicidade

Já a hepatite B acomete entre 0,5 e 6,2% das pessoas em nosso país — a distribuição é heterogênea por aqui, sendo maior na Amazônia. Diferentemente da hepatite C, a B apresenta maior complexidade para diagnóstico, com diferentes marcadores laboratoriais, e tratamento com antivirais orais que, embora induzam à supressão da carga viral, impedindo progressão para cirrose e câncer de fígado, não oferecem a cura.

Esses dados impressionam e poderiam ser reduzidos com a adoção de algumas estratégias:

  • Uso de preservativo para evitar a transmissão sexual;
  • Acompanhamento pré-natal, disponível pelo SUS, para impedir a transmissão vertical;
  • Vacinação, contemplada pelo Plano Nacional de Imunizações desde 1998 e hoje disponível a qualquer faixa etária.

Por falar em vacina para hepatite B, informações do Ministério da Saúde revelam que apenas 49% da população brasileira tomou as três doses do imunizante necessárias, seja por desconhecimento, seja por hesitação, seja pela ação de movimentos antivacina — que, não bastasse prejudicar a vacinação contra a Covid-19, afeta a da hepatite B, a despeito da segurança e da eficácia desses imunizantes.

Fica também na conta da Covid-19 a desarticulação do plano de eliminação das hepatites virais até 2030, pactuado pelo Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS), com a meta de detectar 90% das pessoas infectadas, tratar 80% dos casos diagnosticados, reduzir em 90% o número de novas infecções e diminuir a mortalidade atribuída a essas doenças em 65%.

Dados do governo indicam redução de 40 a 50% no número de testes rápidos distribuídos para as UBSs e um decréscimo proporcional no número de pessoas tratadas para hepatite C — de 36 658 em 2019 para 19 219 indivíduos em 2020. Houve também redução no número de postos e nas campanhas de testagem.

+ LEIA TAMBÉM: Vacinas salvam vidas, mas nem sempre falamos delas nas consultas

Após cerca de um ano e meio no mesmo cenário de saúde, vemos a possibilidade de incremento da morbidade e da mortalidade por uma série de doenças, entre elas as hepatites virais, que ficam como mais uma sequela da pandemia.

Assim, no mês de combate às hepatites virais, o Instituto Brasileiro do Fígado (IBRAFIG) recomenda a todos os brasileiros com idade maior de 40 anos que realizem, ao menos uma vez na vida, o teste rápido para hepatite C. E a todos com idade superior a 20 anos que verifiquem sua situação vacinal para hepatite B. Quem não tem certeza de ter seguido o regime de três doses da vacina na infância deve fazer o teste rápido para hepatite B; em caso negativo, vacinar-se quanto antes.

A maioria dos brasileiros que entram em fila de transplante de fígado, ou que recebem o diagnóstico de câncer hepático, conviveu com a Hepatite B e C por décadas, sem ter percebido qualquer sintoma. Fique atento! Para saber onde fazer os testes ou tomar as vacinas, basta enviar uma mensagem por WhatsApp para o tudosobrefigado no 0800 882 8222.

* Paulo Bittencourt é hepatologista e presidente do Instituto Brasileiro do Fígado (IBRAFIG)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.