Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Gordura no fígado pode até levar a transplante

Médicos alertam: esteatose hepática pode culminar na falência do órgão e só ser resolvida com um transplante de fígado

Por Anderson Brito e Fernando Montenegro, médicos*
10 mar 2022, 17h28

Má alimentação, sobrepeso, sedentarismo e doenças crônicas como o diabetes são os principais fatores por trás do acúmulo de gordura no fígado. Esse fenômeno pode prejudicar o bom funcionamento do órgão, que é responsável por funções vitais como desintoxicação do corpo, produção de energia e síntese de proteínas.

A presença de gordura em excesso nas células hepáticas leva a uma sobrecarga e a uma inflamação, que, com o tempo, provocam lesões e cicatrizes no fígado (as fibroses) e, eventualmente, cirrose, quando o órgão perde a capacidade de funcionar.

Atualmente, a esteatose hepática não alcoólica, o nome oficial do quadro, é um problema de saúde pública. E o que muita gente não sabe é que tem sido responsável por um crescente número de transplantes de fígado no Brasil.

Estima-se que ela atinja até 18% dos brasileiros e 30% da população global. Os números estão diretamente ligados ao aumento nos casos de obesidade, diabetes e outras enfermidades relacionadas a dietas inadequadas e ao sedentarismo.

Continua após a publicidade

A doença no fígado é silenciosa e, frequentemente, o diagnóstico é incidental, constatado através de exames laboratoriais e ultrassonografias de rotina. Essa é uma das razões pelas quais a esteatose costuma ser identificada em estágios mais avançados, sendo que, em alguns casos, ela leva ao câncer de fígado e só pode ser resolvida com um transplante.

Compartilhe essa matéria via:

Apesar de não ter sintomas aparentes nas fases mais iniciais, existem pistas do problema. É o caso da circunferência abdominal. Quando a medida da cintura ultrapassa 88 centímetros nas mulheres e 102 nos homens, temos um sinal de atenção que pode ajudar no diagnóstico.

Continua após a publicidade

A prevenção do acúmulo de gordura no fígado envolve mudanças de hábito e exames de rotina. Além da prática regular de exercícios, recomendamos moderar ou evitar alimentos com carboidratos refinados, gorduras saturadas e bebidas alcoólicas e priorizar frutas, verduras, carnes magras e alimentos integrais − atitudes que auxiliam até mesmo na reversão do quadro.

Não se deve negligenciar a esteatose hepática. Falamos de um problema que, além de sobrecarregar um órgão essencial, pode culminar em situações só resolvidas com um transplante.

* Anderson Brito é hepatologista e especialista em transplantes hepáticos do Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro; Fernando Montenegro é gerente médico da instituição

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.