Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

É possível devolver cores à vida de quem sofre de depressão

O apoio a pessoas com depressão é fundamental para o sucesso do tratamento, como relata uma especialista

Por Raquel Tatiane Heep, psiquiatra* 5 jul 2022, 13h41

Recentemente, o tricampeão mundial de surfe Gabriel Medina – pessoa pública, com uma vida saudável e agitada – deu uma pausa para cuidar da sua saúde mental e admitiu ter passado pela depressão. Assim como ele, tantos outros famosos já assumiram o problema, como o Padre Fabio de Melo, Adele, Selton Melo, Jim Carrey, Paula Fernandes e Whindersson Nunes. Isso nos mostra que, muitas vezes, fama e dinheiro não sustentam a saúde da mente.

O sofrimento que a depressão ocasiona é muito doloroso. A vida realmente perde o colorido: momentos que antes geravam tanto prazer já não encantam em nada. Negatividade, choro e isolamento entram em cena. É como se você usasse óculos muito, mas muito escuros, que tornassem tudo ao seu redor cinza e sem graça.

Em alguns casos, a pessoa que está deprimida deixa de fazer atividades rotineiras do dia a dia, como tomar banho. Ela sofre alterações de sono e de apetite e passa também por mudanças cognitivas, que afetam a memória e a concentração.

+Leia também: Menos exercício e vegetais, mais depressão: a vida brasileira na pandemia

A angústia parece ser infindável, incontrolável e imensa. Sem tratamento e apoio, o paciente pensa em eliminar com sua dor, nem que para isso seja necessário também morrer. Assim iniciam-se os pensamentos de suicídio.

A depressão, para ser caracterizada como doença, precisa manifestar sintomas na maior parte do tempo, por pelo menos 15 dias ininterruptos. Esses sentimentos negativos não são passageiros – elas permanecem ali dia sim, outro também.

Compartilhe essa matéria via:

Ninguém escolhe pela depressão

Importante dizer que essa enfermidade tem, sim, uma característica psicossocial, que envolve o ambiente e a história da pessoa. Mas há também um componente genético. Pessoas com um membro da família depressivo têm maior risco de apresentar o problema, e é preciso falar sobre isso.

Cientificamente, a depressão promove alterações químicas no cérebro. Há mudanças na concentração e no aproveitamento de neurotransmissores, como noradrenalina, serotonina, dopamina e endorfina.

Um dado triste, mas real, é que a maioria das pessoas não recebe o tratamento correto, que, dependendo do caso, precisa de acompanhamento mais longo. Quando o diagnóstico é feito em fase inicial, é possível já entrar com medicação avaliada para cada caso, e assim, conseguimos devolver à pessoa depressiva as cores de vida.

Continua após a publicidade

Adultos, crianças, idosos, ricos, pobres, famosos, anônimos, homens, mulheres – inclusive nossos vizinhos e familiares – podem sofrer com a doença do século.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Precisamos falar de suicídio

Sabe-se que o suicídio tem como uma das causas a depressão não curada. O Brasil ocupa a oitava posição entre os países com mais casos de suicídio. Já a depressão é a segunda doença que mais incapacita as pessoas no mundo inteiro. O nosso país está em segundo no ranking das Américas em número de pessoas depressivas – equivalente a 5,8% da população. Na nossa frente, só vemos os Estados Unidos, com 5,9%.

De acordo com dados da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), agência internacional especializada em saúde pública das América, o suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos, e em boa parte dos casos, tem a depressão como base. Cerca de 800 mil pessoas morrem ao cometerem suicídio todos os anos.

A OMS relatou que 1% do todas de mortes ocorre por suicídio. Para cada tentativa que chega a uma emergência, calcula-se que cerca de 17 pessoas já pensaram em se matar. Estamos diante de um problema sério de saúde pública, e é preciso falar sobre isso em todas as esferas. Desmistificar os transtornos mentais trará resultados e apoio efetivo.

Também devemos reforçar práticas importantes, como boa alimentação, sono de qualidade, prática de exercícios físicos, relações interpessoais saudáveis e a busca por um trabalho estimulante.

Acolhimento

Infelizmente, o preconceito e a falta de informação sobre a existência de tratamentos eficazes contra a depressão e mesmo outras doenças psiquiátricas evoluem para um caminho triste. É urgente reverter isso. Passou da hora de darmos margem a escutar sobre a dor de alguém – e ouvirmos de verdade, sem julgamentos. A regra é acolher com seriedade e estimular a busca por ajuda.

Psiquiatras e psicólogos não são cuidadores de “loucos”, são profissionais de saúde mental. E eles são bastante acessíveis. Falar sobre ideias de suicídio não vai estimular o ato em si. Pelo contrário: o diálogo com o profissional gera alívio e abre caminhos. Vamos ouvir com o coração, acolher com atenção e estimular a busca de ajuda, conduzida por mão amigas.

*Dra. Raquel Tatiane Heep é psiquiatra, coordenadora da Pós-graduação em Psiquiatria e Saúde Mental da Ebramed – Escola Brasileira de Medicina.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês