Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

É hora de estudar a fundo nosso olfato

Capaz de impactar o comportamento, as emoções e o bem-estar, esse sentido se torna objeto de pesquisas mais aprofundadas com a pandemia

Por Gustavo Dieamant, diretor-executivo de P&D do Grupo Boticário* 24 dez 2021, 10h08

Como seria um mundo sem cheiro? É difícil de imaginar. Não somente pelo seu desempenho fisiológico, mas também por seu caráter afetivo. É por meio do olfato que nos conectamos a outras pessoas, nos alimentamos com prazer e até mesmo mostramos traços da nossa personalidade quando, por exemplo, escolhemos uma fragrância que transmite um gosto pessoal. O cheiro constrói memórias e resgata emoções.

O olfato tem um papel relevante na qualidade de vida, e isso ficou ainda mais claro para aqueles que se viram de repente em um “mundo sem cheiros” depois de contrair a Covid-19. Segundo pesquisa publicada este ano no Journal of Internal Medicine, a anosmia acomete 86% das pessoas com casos leves da doença.

Não há como negar que a pandemia de coronavírus afetou a todos e, a essa altura do campeonato, com o avanço da vacinação e a diminuição do número de contágios, temos refletido quanto o olfato é um sentido importante.

Como diretor-executivo de Pesquisa e Desenvolvimento do Boticário, empresa que tem o olfato em sua essência, me vi ainda mais intrigado com o impacto dos cheiros em nossas vidas. E foi nesse contexto que decidimos criar o Centro de Pesquisa do Olfato (CPO), resultado da expansão do Núcleo de Inteligência Olfativa, que há muitos anos atua na inovação e na criação dos nossos produtos.

+ Leia também: Por que podemos perder o olfato?

A iniciativa nasce com o intuito de estudar e entender profundamente a capacidade humana de sentir cheiros, correlacionando a importância desse sentido com o bem-estar e o comportamento das pessoas. O CPO reúne neurocientistas, médicos, especialistas em comportamento humano e experts em perfumaria e vai atuar em quatro pilares que se interseccionam.

Primeiro, as ciências das emoções, que investigam como relacionamos os sentidos e ativamos memórias por meio do olfato.

Segundo, a diversidade sensorial, cuja premissa é entender as diferentes percepções do olfato de acordo com a nossa variedade populacional, isto é, como gerações, etnias e pessoas com deficiências auditiva e visual interpretam os cheiros − o que também promove a inclusão.

Continua após a publicidade

Terceiro, o futuro do olfato, que busca o aperfeiçoamento científico como forma de desvendar esse sentido em todas as suas camadas, mesmo as intangíveis. E o quarto é a disseminação do conhecimento, visando liderar e apoiar outras instituições em pesquisas e democratizar os conhecimentos obtidos para a sociedade.

Compartilhe essa matéria via:

Por meio desse centro, poderemos estudar o olfato para além das funções fisiológicas, levando em conta vieses de comportamento, conexões com a memória e as emoções e impactos sociais. E conhecer melhor as disfunções olfativas e tornar mais acessível seu entendimento entre quem precisa de amparo e informação a respeito.

Dessa forma, a ideia é concretizar mudanças que vão além dos nossos produtos, incentivando a ciência e ampliando a conscientização da população.

Neste momento, já estamos desenvolvendo um treinamento olfativo para pessoas com deficiência visual com o intuito de inseri-las no mercado de trabalho por meio de uma habilitação para atuar na área de avaliação sensorial do Grupo Boticário. O CPO nasce, portanto, com a missão de apoiar pesquisas e contribuir com o bem-estar do brasileiro.

Nosso grande objetivo é exaltar elementos tão importantes para a formação daquilo que nos faz humanos, como o cheiro da pessoa amada, da comida da avó, da fragrância favorita… De tudo aquilo que entra pelo nariz e se sente com o coração.

* Gustavo Dieamant é doutor em Neuroimunoendocrinologia Cutânea e diretor-executivo de P&D do Grupo Boticário 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês