Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Dosagem da creatinina: um exame essencial para avaliar a saúde dos rins

Médico explica como esse teste simples ajuda a identificar a doença renal crônica e outros problemas antes de sintomas aparecerem

Por Jorge Strogoff, nefrologista*
Atualizado em 14 fev 2024, 20h50 - Publicado em 12 mar 2020, 12h08

Se você não sabe como anda a saúde desse órgão tão importante, saiba que suas funções podem ser avaliadas com a dosagem de creatinina no sangue, um exame laboratorial extremamente simples e confiável.

Com a ajuda do teste, muitas vezes a doença renal crônica pode ser detectada bem antes do surgimento de qualquer sintoma. Hoje, esse é o principal alerta que nós, da comunidade médica, devemos fazer.

Até porque, infelizmente, grande parte das pessoas recebe o diagnóstico da doença renal crônica numa fase tão avançada que nada mais pode ser feito para salvar os rins. Nesses casos, é preciso iniciar uma diálise de urgência para o paciente não correr risco de morrer.

+ Leia também: Diagnóstico precoce e tratamento são fundamentais para a saúde dos rins

Por que investigar a creatinina

Uma das principais tarefas dos rins é filtrar o sangue, eliminando as substâncias tóxicas de nosso organismo. Sem a filtração renal, a manutenção da vida seria inviável em pouco tempo.

À medida que os rins começam a perder função, os níveis de creatinina no sangue vão se elevando. Isso ocorre porque essa molécula é constantemente produzida pelas células musculares e, ao mesmo tempo, eliminada exclusivamente pelos rins. Em condições normais, portanto, os níveis de creatinina no sangue permanecem sempre baixos.

Continua após a publicidade

Mas, no caso de doença renal, a substância continuará circulando pelo corpo. Por isso, a sua dosagem é extremamente útil no diagnóstico de um problema no órgão.

Vale ressaltar, no entanto, que não há um limite fixo de valor considerado normal. Isso porque os níveis da creatinina no sangue não dependem apenas de sua filtração pelos rins, mas também da quantidade produzida pelas células musculares. Pessoas com mais massa muscular apresentam valores mais altos de creatinina do que indivíduos menos musculosos – ainda que tenham a mesma função renal.

saude-diagnostico-exame-sangue-coleta-creatinina-alta-baixa
Nível de creatinina pode ser estimado por meio de exame de sangue (Foto: stefamerpik/Freepik)

Quais são os sintomas de creatinina alta?

A creatinina tem funções importantes no organismo humano associadas ao fornecimento de energia para os músculos. A alteração nos níveis da substância no corpo pode ser silenciosa, sem sinais específicos para algumas pessoas.

No entanto, a creatinina alta pode manifestar sinais como cansaço, fraqueza, falta de apetite e perda de peso, além de queixas como náuseas, vômito e retenção de líquido. Algumas pessoas também podem apresentar confusão mental.

Continua após a publicidade

De um modo geral, homens e pessoas mais jovens apresentam creatinina mais elevada do que as mulheres e os idosos, que perdem massa muscular à medida que envelhecem.

Dá para dizer que homens com creatinina acima de 1,6 mg/dl e mulheres com valores acima de 1,3 mg/dl geralmente têm função renal reduzida, independentemente da idade — logo, são níveis que indicam a presença da doença. Porém, nas pessoas mais idosas, o limite da normalidade da creatinina pode ser ainda mais baixo do que esses. Resultados anormais devem ser confirmados por nova dosagem.

Diagnósticos

O diagnóstico definitivo de doença renal crônica é dado quando a alteração persiste por mais de três meses.

A dosagem da creatinina de rotina é recomendada principalmente para as pessoas com maior risco de doença renal crônica, como diabéticos, hipertensos, idosos e indivíduos com histórico familiar do problema.

O diagnóstico precoce da doença renal crônica é fundamental para que medidas clínicas possam ser tomadas a tempo de prevenir ou retardar a sua progressão. Quanto mais avançado o quadro, mais complicado de tratar.

Continua após a publicidade

*Jorge Strogoff é médico nefrologista, professor da Universidade Federal Fluminense e consultor científico da Fresenius Medical Care

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.