Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Aids: ainda estamos longe do fim

Especialista contesta as formas atuais de controle do vírus HIV e propõe um olhar diferente para vencermos a epidemia de aids

Por Richard Parker, diretor da Abia*
Atualizado em 2 dez 2019, 12h35 - Publicado em 20 dez 2018, 10h00

Existem hoje no mundo 26 milhões de pessoas sem acesso ao tratamento contra o vírus HIV. O que significa dizer que há um expressivo contingente da população em risco de desenvolver a aids por não ter acesso aos antirretrovirais, conjunto de medicamentos capazes de frear o vírus.

Em vez de buscarem respostas para garantir a vida dessas pessoas e o controle da epidemia, vários organismos mundiais — entre eles, a própria Organização das Nações Unidas (ONU) — e os principais países ricos, acompanhados de outras nações menos desenvolvidas, apostaram nas metas globais que sugeriam acabar com a epidemia até 2030. Já se vislumbrava e se comemorava o fim da aids, discurso que foi reproduzido pela mídia em reportagens e coberturas especiais.

A base desse plano entusiasta residia nos avanços científicos, tecnológicos e farmacológicos. Seu maior erro, porém, foi ter deixado de dar crédito às respostas comunitárias, sociais e políticas e às denúncias dos ativistas e das pessoas vivendo com HIV e aids sobre os problemas impostos pela epidemia.

Não há como eliminar a doença sem combater as barreiras estruturais e culturais que a sustentam — ou seja, as desigualdades e as exclusões socioeconômicas que atingem populações marginalizadas e que têm sido cada vez mais potencializadas pelo crescimento global do conservadorismo, do racismo, da xenofobia, da homofobia e pelo consequente fortalecimento do estigma e da discriminação.

Continua após a publicidade

Nesses tempos sombrios, a epidemia se expande pela ausência da sexualidade nas campanhas de prevenção, por falhas sistemáticas no abastecimento dos antirretrovirais ou por fatores gerados por crises políticas e econômicas internas — em alguns casos, até pela guerra civil.

E tem consequências dramáticas para as populações, incluindo aí os cidadãos que já convivem com o vírus. Venezuela, Argentina e mesmo o Brasil são exemplos do recrudescimento da epidemia.

A chave para reverter esse cenário depende de as autoridades nacionais e mundiais assumirem o desafio de encontrar uma resposta construída conjuntamente com a sociedade civil, governos, gestores, cientistas, profissionais da saúde e de serviços e as pessoas que vivem com HIV e aids. Mais do que nunca, é preciso buscar retomar o controle da epidemia com base nos princípios dos direitos humanos, da solidariedade e da própria democracia.

*Richard Parker é diretor do Centro para Estudos de Cultura, Política e Saúde na Escola de Saúde Pública da Universidade Colúmbia (EUA) e diretor-presidente da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.