Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

A transformação da saúde passa pelas mãos das mulheres

Executiva discute como a presença cada vez maior de mulheres no setor de tecnologia aplicada à saúde vem aperfeiçoando as soluções de assistência e acesso

Por Jihan Zoghbi, presidente da Associação Brasileira CIO Saúde* 8 ago 2021, 18h22

Ser uma CEO na área da inovação voltada à saúde é um desafio que ultrapassa as questões de gênero. O ambiente médico-hospitalar é um ecossistema complexo, que exige sensibilidade e, acima de tudo, investimentos. Não há sucesso sem conhecimento técnico e dedicação. Em tempos de alta demanda — como a atual crise sanitária da Covid-19 —, o papel das mulheres nesse segmento tem despontado, especialmente no trabalho que busca democratizar o acesso aos serviços.

Ainda existe, por razões geográficas, econômicas, sociais e culturais, uma parcela da população que não consegue atendimento em saúde no modelo ideal. Atentas a essa questão, mulheres de diversas nacionalidades têm encabeçado projetos que apostam na tecnologia como um instrumento de inclusão. A telemedicina, que recentemente foi autorizada no Brasil, é o futuro para além das fronteiras. Representa o acolhimento ágil, humano e eficaz, com economia e sustentabilidade, e extensivo a todas as idades — com consultas do pediatra ao geriatra.

Em uma rápida análise social, percebe-se a liderança feminina nas rotinas de cuidado com a saúde dentro de casa. Essa habilidade migra para o perfil das executivas no ambiente corporativo. A visão ampliada sobre as necessidades das famílias, a experiência de mercado e a qualificação médica são fatores que, juntos, geram enorme potencial para mudar a realidade.

Infelizmente, ainda há o desequilíbrio na questão de gênero, com diferenças de oportunidades e salários — sendo melhores para os homens, evidentemente. Quando se trata de tecnologia, o tema é ainda mais complicado, pois exige que as gestoras trabalhem além, para mudar o mindset do entorno. O grande desafio é não permitir um tratamento diferente. A meritocracia não tem sexo e ajuda a conquistar espaços, por mais limitados que eles possam parecer.

É fato que lideranças femininas ocupam, pouco a pouco, um papel estratégico no mundo da inovação. Há um longo caminho pela frente, considerando a estimativa de que apenas 15,7% dos negócios têm uma mulher no comando, conforme dados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Em um recorte mais detalhado, uma pesquisa recente da Endeavor aponta que apenas 9,4% das startups são fundadas exclusivamente por mulheres e 1,4% são cofundadas por elas.

+ LEIA TAMBÉM: Machismo faz, sim, mal à saúde

A mesma pesquisa traz outros pontos importantes à tona. Há desigualdade na alocação de capital. Startups fundadas exclusivamente por mulheres receberam 0,04% do total de capital investido no país em 2020. Além disso, os tickets médios para mulheres são inferiores aos recebidos pelos homens.

Continua após a publicidade

Mas a semente da equidade já está sendo plantada. Prova disso é que essas dirigentes tornaram-se vozes ativas em projetos que evoluíram do campo das ideias para negócios escaláveis e têm atraído a atenção de investidores internacionais. Mulheres, tecnologia e saúde se complementam em um hub de transformação.

Os desafios não podem intimidar o nascimento de lideranças que saibam conduzir esse momento de travessia. O sucesso de uma serve de estímulo às outras. Em momentos recentes da história, as divergências já foram muito maiores e, com competência, líderes pioneiras conseguiram superá-las. Aquelas que não têm medo de enfrentar as estatísticas e probabilidades certamente vão testemunhar — e participar de — avanços importantes para a humanidade.

* Jihan Zoghbi é fundadora e presidente da healthtech Dr. TIS e da Associação Brasileira CIO Saúde (ABCIS)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês