Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A medicina entre homens e robôs

Especialista discute como a robótica vem revolucionando a cirurgia e as promessas e limitações à vista

Por Carlos Eduardo Domene, cirurgião*
28 jul 2022, 09h39

No mundo atual, já há quem defenda que as máquinas estão se tornando capazes de ter consciência de sua própria existência, além de sentimentos e emoções. E não é tão difícil deparar com pessoas que apostam que os robôs vão substituir até mesmo os mais habilidosos cirurgiões.

Quem sabe? Isso é tema para um futuro provavelmente distante. Por ora, o que temos na medicina são incríveis avanços na área da robótica, permitindo que cirurgias assistidas por plataformas ultratecnológicas promovam incisões menores, com maior precisão e eficácia, e melhores desfechos para o paciente.

Para quem é operado, os benefícios comprovados incluem redução de dor, risco de infecção e outras complicações após o procedimento. Do lado de quem opera, podemos realizar cirurgias com maior destreza, manipular tecidos com delicadeza, dar pontos mais precisos e lidar com menos sangramentos.

Em suma, com a devida indicação e o treinamento dos profissionais, tudo fica mais seguro. Na Rede D’Or São Luiz, onde temos o maior parque robótico do país, já contamos com 20 robôs de três fabricantes diferentes, cada qual com suas particularidades e finalidades. Com a ajuda deles, operamos a boca, o tórax, o coração, o abdômen, os ossos e as articulações etc.

+ LEIA TAMBÉM: O uso da inteligência artificial na medicina 

A principal aplicação hoje tem sido no tratamento do câncer de próstata. A prostatectomia robótica se tornou o padrão ouro nesse tipo de intervenção e reduz sensivelmente efeitos colaterais da cirurgia, como impotência e incontinência urinária.

Continua após a publicidade

Outra aplicação que se torna frequente é a técnica robótica voltada a mulheres com endometriose. Desde 2015, quando foi criado o Programa de Cirurgia Robótica da Rede, tocado em parceria com o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), contabilizamos mais de 17 mil procedimentos e cerca de 550 cirurgiões treinados.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Ainda encaramos limitações de acesso a essa tecnologia. Ela não possui cobertura pelos planos de saúde e, no sistema público, há pouquíssimas plataformas robóticas em uso — apenas no Rio de Janeiro, em São Paulo e Porto Alegre. Os custos com a manutenção são altos e podem ter um impacto significativo no orçamento das instituições.

Mas como será o amanhã? O futuro está nas mãos (ou melhor, nas pinças) dos robôs? O termo “robô” foi criado pelo tcheco Josef Capek em 1920 e empregado pela primeira vez por seu irmão, o escritor Karel Capek, na peça teatral Robôs Universais de Rossum.

Em 1942, o escritor russo radicado nos EUA Isaac Asimov assimilou a ideia e desenvolveu o conceito de “robótica” e suas famosas “três leis”:

Continua após a publicidade

1) um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que ele sofra algum mal;
2) um robô deve obedecer às ordens dadas por humanos, a menos que elas entrem em conflito com a primeira lei;
3) um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não se choque com a primeira e a segunda leis.

Não chegamos a ponto de ter que lançar mão dessas regras para defender a humanidade. Pelo contrário, na medicina, pelo menos, o convívio deve continuar pacífico e bem-vindo por muito tempo. Sobretudo a quem é de carne e osso.

Compartilhe essa matéria via:

* Carlos Eduardo Domene é cirurgião e coordenador médico do Programa de Cirurgia Robótica da Rede D’Or São Luiz (SP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.