Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

A medicina entre homens e robôs

Especialista discute como a robótica vem revolucionando a cirurgia e as promessas e limitações à vista

Por Carlos Eduardo Domene, cirurgião* 28 jul 2022, 09h39

No mundo atual, já há quem defenda que as máquinas estão se tornando capazes de ter consciência de sua própria existência, além de sentimentos e emoções. E não é tão difícil deparar com pessoas que apostam que os robôs vão substituir até mesmo os mais habilidosos cirurgiões.

Quem sabe? Isso é tema para um futuro provavelmente distante. Por ora, o que temos na medicina são incríveis avanços na área da robótica, permitindo que cirurgias assistidas por plataformas ultratecnológicas promovam incisões menores, com maior precisão e eficácia, e melhores desfechos para o paciente.

Para quem é operado, os benefícios comprovados incluem redução de dor, risco de infecção e outras complicações após o procedimento. Do lado de quem opera, podemos realizar cirurgias com maior destreza, manipular tecidos com delicadeza, dar pontos mais precisos e lidar com menos sangramentos.

Em suma, com a devida indicação e o treinamento dos profissionais, tudo fica mais seguro. Na Rede D’Or São Luiz, onde temos o maior parque robótico do país, já contamos com 20 robôs de três fabricantes diferentes, cada qual com suas particularidades e finalidades. Com a ajuda deles, operamos a boca, o tórax, o coração, o abdômen, os ossos e as articulações etc.

+ LEIA TAMBÉM: O uso da inteligência artificial na medicina 

A principal aplicação hoje tem sido no tratamento do câncer de próstata. A prostatectomia robótica se tornou o padrão ouro nesse tipo de intervenção e reduz sensivelmente efeitos colaterais da cirurgia, como impotência e incontinência urinária.

Outra aplicação que se torna frequente é a técnica robótica voltada a mulheres com endometriose. Desde 2015, quando foi criado o Programa de Cirurgia Robótica da Rede, tocado em parceria com o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), contabilizamos mais de 17 mil procedimentos e cerca de 550 cirurgiões treinados.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Ainda encaramos limitações de acesso a essa tecnologia. Ela não possui cobertura pelos planos de saúde e, no sistema público, há pouquíssimas plataformas robóticas em uso — apenas no Rio de Janeiro, em São Paulo e Porto Alegre. Os custos com a manutenção são altos e podem ter um impacto significativo no orçamento das instituições.

Mas como será o amanhã? O futuro está nas mãos (ou melhor, nas pinças) dos robôs? O termo “robô” foi criado pelo tcheco Josef Capek em 1920 e empregado pela primeira vez por seu irmão, o escritor Karel Capek, na peça teatral Robôs Universais de Rossum.

Em 1942, o escritor russo radicado nos EUA Isaac Asimov assimilou a ideia e desenvolveu o conceito de “robótica” e suas famosas “três leis”:

1) um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que ele sofra algum mal;
2) um robô deve obedecer às ordens dadas por humanos, a menos que elas entrem em conflito com a primeira lei;
3) um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não se choque com a primeira e a segunda leis.

Não chegamos a ponto de ter que lançar mão dessas regras para defender a humanidade. Pelo contrário, na medicina, pelo menos, o convívio deve continuar pacífico e bem-vindo por muito tempo. Sobretudo a quem é de carne e osso.

Compartilhe essa matéria via:

* Carlos Eduardo Domene é cirurgião e coordenador médico do Programa de Cirurgia Robótica da Rede D’Or São Luiz (SP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês