Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A clínica é sempre soberana?

Dois especialistas discutem o papel dos exames laboratoriais no raciocínio médico e no diagnóstico de doenças hoje

Por Adagmar Andriolo e Wilson Shcolnik, médicos*
Atualizado em 12 abr 2022, 10h42 - Publicado em 9 abr 2022, 11h32

O diagnóstico de doenças se baseia em raciocínio clínico, um processo cognitivo que implica a integração e a interpretação de informações colhidas pelo médico, possibilitando a formulação de hipóteses diagnósticas e a proposição de condutas adequadas frente a um problema de saúde.

Infelizmente, há pacientes que conseguem descrever apenas alguns sintomas, muitas vezes de forma imprecisa, e, por outro lado, médicos podem identificar e interpretar dados seletivamente. Assim, esse processo é suscetível a erros.

Automaticamente, e sem muita reflexão, muitas vezes repetimos ou ouvimos a clássica frase “a clínica é soberana”. Mas será mesmo? Houve tempo em que os chamados “exames complementares” unicamente “complementavam” o raciocínio clínico.

No entanto, hoje, os recursos tecnológicos aplicados à medicina são utilizados por profissionais com elevado grau de especialização e não só confirmam o diagnóstico ou reduzem eventuais dúvidas que a história clínica e o exame físico geram no raciocínio médico como também orientam quanto à origem e à gravidade da doença. Também permitem estabelecer medidas preventivas em relação a determinadas condições.

Será que atualmente alguém duvida da importância de se conhecer os níveis de colesterol ou de glicose no sangue com a finalidade de identificar pessoas em risco de desenvolver doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2? Ou alguém que negue o papel de uma ressonância magnética de crânio para avaliar a extensão de um acidente vascular cerebral? Ou, ainda, alguém que menospreze o uso da genômica na personalização de tratamentos?

Compartilhe essa matéria via:

Seriam muitos os exemplos a serem listados, mas o fato é que nosso questionamento em nada compromete o elevado espírito humanista que o exercício da medicina impõe. Apenas evidencia a existência de novos e indispensáveis recursos que, se utilizados de forma racional, acrescentam possibilidades de maior correção, rapidez e eficiência diagnóstica.

O diagnóstico continua sendo ato médico, mas não é mais baseado exclusivamente na anamnese, no exame físico e no raciocínio clínico, humanamente sujeitos a armadilhas, heurística e vieses. Sem um diagnóstico correto, todas as ações subsequentes estão prejudicadas, com risco de danos irreparáveis aos pacientes.

Há muito tempo, o bom exercício da medicina deixou de ser uma atividade individual e isolada, assumindo um trabalho coletivo entre equipes e especialidades. É impensável hoje que uma única pessoa possa abarcar todo o conhecimento referente à prática médica, por mais generalista que seja.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Essas considerações não pretendem reduzir a relevância do atendimento médico, mas ressaltar as possibilidades de ampliação das suas competências pelo uso racional dos métodos diagnósticos e terapêuticos incorporados à prática clínica.

Continua após a publicidade

A medicina diagnóstica − resultante da integração de três áreas médicas, a anatomia patológica, o diagnóstico por imagem e a patologia clínica/medicina laboratorial − pode potencializar a eficiência na detecção de doenças e contribuir para a assistência ao paciente.

Nessa linha, para a prática da medicina moderna, não é razoável desprezar o apoio dos algoritmos nem a utilização do aprendizado da máquina na otimização do raciocínio e da conduta dos profissionais. Esse trabalho conjunto entre diversos especialistas (e com diversas tecnologias) gera economia para o sistema de saúde, conduz a desfechos desejados e beneficia os pacientes com decisões mais rápidas e efetivas.

* Adagmar Andriolo é professor titular de Clínica Médica e Medicina Laboratorial da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), ex-presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial e membro da Academia de Medicina de São Paulo; Wilson Shcolnik é presidente da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Patologia

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.