Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Coisas de Homens

Sexo, libido, ereção, prevenção de doenças… O bem-estar dos homens está na mira do urologista João Brunhara, diretor médico da Omens, plataforma que trata da saúde sexual masculina
Continua após publicidade

O toque retal ainda é necessário para o rastreio do câncer de próstata?

Uma nota do Ministério da Saúde desaconselha os exames em homens sem sintomas, contrariando a posição da Sociedade Brasileira de Urologia. Entenda

Por João Brunhara
27 nov 2023, 18h15

Boa parte dos homens já incorporou a ideia de fazer anualmente os exames para rastreamento do câncer de próstata a partir dos 45 anos: o toque retal e um exame de sangue chamado PSA. E, para homens com histórico familiar ou afrodescendentes, essa rotina se inicia aos 40 anos.

Essa é a recomendação formal da Sociedade Brasileira de Urologia.

A premissa é simples: como os sintomas de câncer de próstata são basicamente inexistentes nas suas fases iniciais, a única possibilidade de diagnóstico precoce é flagrar a doença nos exames de rotina.

Nessa fase inicial, as chances de cura do câncer de próstata superam 90%, enquanto um tumor avançado com metástases, ainda que possa ser controlado, não é mais considerado curável.

Continua após a publicidade

Porém, uma nota técnica do Ministério da Saúde cita outras evidências e recomenda que o rastreamento não seja feito.

+ Leia tambémEntenda o debate sobre o rastreamento do câncer de próstata no Brasil

De fato, existe um debate aberto na literatura médica. Sabe-se que muitas vezes o câncer de próstata é uma doença pouco agressiva, e frequentemente não é a causa de morte de pacientes acometidos.

Continua após a publicidade

Para ter ideia, enquanto mais de 70 mil homens recebem esse diagnóstico por ano no Brasil, as mortes causadas por ele ficam ao redor de 15 mil por ano.

Além disso, dois estudos grandes compararam pacientes que faziam e que não faziam os exames de rastreio e chegaram à conclusão de que fazer os exames de rotina não reduzia significativamente o risco de morrer pela doença em 10 anos. Com base nessas pesquisas, em 2013, a força tarefa de serviços preventivos nos Estados Unidos recomendou que o rastreamento deixasse de ser realizado.

Porém, os anos passaram e novas evidências se acumularam. Por um lado, falhas metodológicas desses dois estudos ficaram evidentes. Por outro, atualizações dos trabalhos revelaram que, passados os 10 anos iniciais, a mortalidade a longo prazo era menor entre os homens que fizeram rastreamento.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Novas evidências a favor da dosagem do PSA para flagrar câncer de próstata

E mais. Após a suspensão do rastreamento nos Estados Unidos, a incidência de câncer de próstata com metástases (ou seja, espalhado pelo corpo, sem possibilidade de cura) aumentou significativamente naquele país.

Diante dessas evidências, a própria força-tarefa estadunidense revisou sua posição em 2018, e hoje recomenda que o rastreio seja discutido individualmente com cada paciente, explicando os riscos e benefícios. Ou seja, a nota do Ministério da Saúde está em linha com posicionamentos internacionais de um passado recente, mas não com o que há de mais atual.

Continua após a publicidade

É verdade que alguns tumores pouco agressivos acabam sendo tratados sem necessidade. Mas atualmente, temos critérios objetivos para poder propor uma vigilância de tais tumores, evitando cirurgias e outras intervenções. E esses critérios vão se aperfeiçoando a cada ano.

Outro aspecto relevante é que os tratamentos atuais, por exemplo com cirurgia robótica, oferecem resultados com muito menos efeitos colaterais do que as cirurgias do passado.

Uma visão ponderada sobre assunto é entender que existem riscos e benefícios para cada posição. No caso de não se fazer o rastreamento, corre-se o risco de morrer por um câncer cujos efeitos poderiam ter sido evitados. No caso de se fazer o rastreamento, corre-se o risco de realizar uma cirurgia que poderia ter sido desnecessária.

Continua após a publicidade

É justo que cada paciente seja informado desses riscos e benefícios e tome uma decisão que atenda seus anseios.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.