Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Check-up com Sidney Klajner

O cirurgião e presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein levanta e debate as tendências e os desafios que interferem em nosso dia a dia e na saúde pública do país
Continua após publicidade

Como enfrentar o calorão?

Segundo meteorologistas, ainda teremos muitos dias com temperaturas acima do normal, que costumam impactar o bem-estar. Mas cuidados simples podem ajudar

Por Sidney Klajner
20 jan 2024, 09h50

Férias, praia, piscina, mais atividades ao ar livre com familiares e amigos. Para muitos, o verão é a melhor estação do ano. Mas este verão promete continuar com dias de temperaturas bastante elevadas, ultrapassando os 40 graus e com sensação térmica superior a 50 em algumas localidades. Como aproveitar a temporada sem abrir mão da saúde e do bem-estar? De forma geral, bastam alguns cuidados bem simples.

Um dos principais problemas associados ao calor excessivo é a desidratação. Portanto, a não ser para pessoas com restrição hídrica (como os portadores de doença renal crônica e insuficiência cardíaca), a regra é beber água. A indicação de volume varia de acordo com as características e atividades do indivíduo, mas costuma girar em torno de 2 litros a 2,5 litros por dia

O doutor Rafael Ornelas, médico da família e comunidade do Einstein, costuma resumir a orientação da seguinte forma: “Não precisa esperar sentir sede. É fundamental hidratar-se”. Assim, aquele hábito de levar uma garrafinha de água para onde for se torna especialmente precioso nesta época do ano. 

Outra recomendação é evitar a exposição ao calor em excesso, principalmente entre as 10 e as 15 horas. Como nem sempre isso é possível, o jeito é proteger-se usando chapéu ou boné, roupas leves que “respiram” – e, se tiver a opção, escolher o lado do caminho com mais sombra. 

Continua após a publicidade

+Leia também: Calor, sim. Diarreia, não!

Para lidar com o estresse fisiológico relacionado ao calor, o corpo aumenta a sudorese, a frequência cardíaca e respiratória. Sem hidratação e cuidados adequados, isso pode levar a quadros graves até para quem não tem problemas de saúde preexistentes. 

Mas, como observa o doutor Ornelas, o risco das altas temperaturas é maior para pessoas que já têm comorbidades, como alguma doença cardíaca ou pulmonar.

Continua após a publicidade

Os extremos de idade também exigem atenção especial. Os idosos (principalmente acima de 75 anos), porque já têm o organismo mais fragilizado e podem conviver com uma ou mais doenças crônicas. 

As crianças, porque não costumam perceber o calor excessivo, nem reclamar de sede ou interromper a brincadeira para beber água com frequência. E os bebês, porque ainda não sabem falar e, portanto, não conseguem dizer “estou com muito calor, preciso de uma roupa mais leve”.

Se a ingestão de água e de líquidos, como isotônicos e água de coco, joga a favor da saúde e do bem-estar para enfrentar as altas temperaturas, o consumo de outras substâncias têm efeito contrário. Estou falando de café, energéticos e bebidas alcoólicas, que aceleram o ritmo respiratório e cardíaco.

Continua após a publicidade

Compartilhe essa matéria via:
 

Quanto à alimentação, a dica é optar por produtos frescos, leves e naturais, que não sobrecarregam o sistema digestivo.

Uma sensação térmica elevada também pode ser inimiga de uma boa noite de sono. Felizmente, o ar-condicionado ou o ventilador ajudam bastante nesse sentido.

Continua após a publicidade

Também é importante deixar o quarto bem ventilado e a cama livre de colchas, cobertores e roupas pesadas, que impeçam o corpo de dissipar seu calor no ambiente. 

Nos dias e noites mais quentes, um banho com água mais fria ou a colocação de toalha umedecida no pescoço ou nas axilas também traz algum alívio.

Para a maioria das pessoas, essas providências ajudam a lidar com a situação. Mas é importante ficar atento a sintomas como tontura, sensação de desmaio, dor de cabeça atípica, sede excessiva e suor exagerado. 

Continua após a publicidade

+Leia também: Passar protetor solar causa deficiência de vitamina D?

Se eles persistirem mesmo depois de ter bebido bastante água e buscado mitigar o calor do corpo, a recomendação é buscar uma avaliação médica. 

Cuidar da saúde e do bem-estar é fundamental em todas as estações do ano. E, no verão, a fórmula “sombra e água fresca” costuma ser uma boa aliada. 

Aliás, segundo o doutor Ornelas, a expressão ideal seria invertida, com a água fresca (e bastante) em primeiro lugar, porque é mais importante que a sombra. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.