Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 5,90/mês
Câncer em Pauta Por Blog Especialistas da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Sboc) discutem a prevenção, o diagnóstico e o tratamento do câncer no nosso país

Como os pacientes com câncer devem agir diante do coronavírus

A colaboração de todos é vital para preservar quem está no grupo de risco do coronavírus, caso dos pacientes oncológicos, e aliviar o sistema de saúde

Por Dra. Clarissa Mathias, oncologista* - Atualizado em 28 Maio 2020, 10h08 - Publicado em 30 mar 2020, 12h35

Não saia de casa desnecessariamente. Evite multidões. Lave as mãos e punhos por mais de 30 segundos. Use álcool em gel. Cubra com o antebraço o nariz e a boca ao tossir ou espirrar. Se for extremamente necessário sair, não cumprimente as pessoas como de costume: nada de aperto de mão ou beijo no rosto. Mantenha distância das pessoas.

Com a rápida disseminação da Covid-19, doença relacionada ao coronavírus (Sars-CoV-2), todo mundo já decorou essas recomendações. Então, o que a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) pode acrescentar de relevante para a população?

Visto que os pacientes oncológicos costumam ter queda na imunidade devido à doença ou por causa dos tratamentos aos quais são submetidos (quimioterapia, radioterapia, uso de corticoides, entre outros), é indispensável manter o cuidado redobrado durante esse momento. Uma pessoa que contrair o coronavírus tem maior risco de sofrer complicações se estiver enfrentando um tumor.

Como parte do compromisso da SBOC em promover e ampliar o bem-estar dos pacientes com câncer, o ponto mais crucial a se destacar é que todos eles conversem com sua equipe médica sobre como prosseguir com o tratamento.

Em casos específicos, o número de atendimento presenciais pode ser reduzido. Uma consulta de seguimento (que serve para acompanhar a evolução da pessoa e do tratamento) pode ser reagendada. O mesmo vale para as consultas de hormonioterapia, voltadas para câncer de mama e próstata. Assim, o paciente circula menos, ficando menos suscetível à infecção pelo Sars-CoV-2.

O que deve ser mantido normalmente são as consultas para indivíduos em tratamento com quimioterapia. Já pacientes que estejam com quadro sintomático de coronavírus precisam de auxílio médico para definir a urgência do tratamento contra o câncer.

Continua após a publicidade

Fazendo um recorte, a maior probabilidade de complicações por Covid-19 é entre os portadores de cânceres no sangue (leucemias, linfomas e mieloma múltiplo) que passaram por transplante de medula óssea ou estão em tratamento com quimioterapia. Porém, adotando as medidas preventivas listadas abaixo, os riscos associados ao coronavírus diminuem significativamente.

Aos pacientes com câncer ou em acompanhamento:

  • Não interrompa seu tratamento oncológico
  • Caso haja suspeita de infecção, a consulta deve ser priorizada e o paciente, enquanto aguarda, precisa usar máscara cirúrgica e ficar em ambiente arejado
  • Se estiver na fase de seguimento, contate sua equipe médica para avaliar se é seguro adiar seus retornos para um período com menor disseminação do coronavírus
  • Evite contato com qualquer pessoa que tenha sintomas gripais, que esteja em investigação para possível infecção Covid-19, ou que tenha chegado do exterior (com ou sem sintomas gripais)
  • Se apresentar quadros como, febre, coriza, tosse seca, falta de ar, contate seu médico
  • Permaneça somente o tempo necessário em ambiente de clínicas e hospitais. Dentro do possível, evite contato físico direto, mesmo com o seu médico e a equipe de saúde
  • Só leve, no máximo, um acompanhante para um centro de tratamento oncológico. Essa pessoa não pode apresentar qualquer sintoma respiratório ou febre
  • Restrinja visitas hospitalares ao que for estritamente necessário

A familiares e população de forma geral:

  • Evite contato com o paciente caso você apresente qualquer sintoma suspeito de gripe. Também é importante não se aproximar de terceiros com sintomas ou infecção confirmada, para não haver risco de transmitir o coronavírus ao indivíduo com câncer
  • Para indivíduos assintomáticos, o uso de máscara não é recomendado. Quando não indicada, essa estratégia pode causar custos desnecessários e criar uma falsa sensação de segurança, que leva à negligência de outras medidas preventivas essenciais, como lavar as mãos

Cada um pode fazer sua parte e contribuir para a redução na sobrecarga do nosso sistema de saúde. Isso certamente vai ajudar a atender adequadamente quem precisa de cuidados médicos, seja por decorrência do coronavírus ou por outras razões.

Mais do que nunca, é necessário combater atitudes irresponsáveis, que menosprezam a urgência da situação e desrespeitam a indicação de isolamento, conforme a diretoria da SBOC orienta em seu posicionamento publicado recentemente.

Para passar por esse período crítico da melhor forma possível, é imprescindível seguir as orientações disponibilizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo Ministério da Saúde e pela comunidade científica. Nesse momento, a SBOC está com uma agenda de comunicação paralela, elaborando vários conteúdos focados em Covid-19. Sempre iremos trabalhar para desmentir notícias falsas que prejudicam a população.

Pensando nisso e para manter a sociedade, os pacientes e os oncologistas a par de todas as novidades sobre o coronavírus — com informação de qualidade —, a SBOC está atualizando regularmente uma seção do site criada exclusivamente para o assunto. Respeitando as recomendações, cuidamos de nós mesmos e de quem amamos.

*Por Dra. Clarissa Mathias, oncologista e presidente da SBOC

Continua após a publicidade
Publicidade