Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Pitayas rosa e branca: qual a mais nutritiva?

Fizemos uma comparação, nutriente por nutriente, de duas versões da pitaya, uma fruta especialmente deliciosa no verão

Por Thaís Manarini 23 jan 2019, 10h02

Originária da América Central e do México, a pitaya desembarcou há pouco no Brasil. Tanto que um monte de gente ainda não conhece a fruta — seja a de polpa branca ou a rosa. Mas, neste verão, ela tem tudo para ganhar popularidade. “É que fornece boa quantidade de água e eletrólitos, que perdemos no suor”, explica a nutricionista Renata Guirau, do Oba Hortifruti, em São Paulo.

Fora isso, as duas versões têm poucas calorias e baixo teor de açúcar — embora a de polpa colorida seja levemente mais adocicada. O rosa vibrante dessa pitaya vem do licopeno, pigmento fortemente ligado à prevenção de câncer e doenças cardíacas.

“Já a de polpa branca contém flavonoides com função antioxidante e anti-inflamatória”, conta a nutricionista. Logo, ambas merecem um cantinho na fruteira.

A pedida é consumi-las in natura ou em forma de sucos, vitaminas, sorvetes e geleias. Para aumentar a durabilidade, a polpa pode ser congelada e usada depois. Isso se sobrar, né?

  • Agora confira uma comparação de substâncias, calorias e nutrientes entre as duas versões de pitaya:

    Energia

     

    Branca: 82 cal
    Rosa: 104 cal

    Continua após a publicidade

    Fibras

    Rosa: 6 g
    Branca: 5,4 g

    Carboidratos

    Branca: 18 g
    Rosa: 26 g

    Vitamina c

    Branca: 54 mg
    Rosa: 40 mg

    Fósforo

    Rosa: 45 mg
    Branca: 38 mg

    Proteínas

    Rosa: 2,2 g
    Branca: 0,2 g

    (Os valores se referem a 200 gramas da polpa, o que corresponde a cerca de uma fruta)

    Placar saúde

    Pitaya branca 3 x 3 Pitaya rosa

    Fonte: Renata Guirau, nutricionista do oba hortifruti (SP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade