saudeLOGO Created with Sketch.

Um arroz cheio de benefícios

Por não passar por refinamento, o cereal integral preserva minerais, proteínas, vitaminas e fibras

Lá se vão mais de 7 mil anos de convivência com a humanidade. Quanto arroz! Tudo leva a crer que sua origem seja asiática — naquelas terras, aliás, os arrozais moldam paisagens e norteiam a economia de vários países. O alimento viajou pelo mundo e hoje aparece no cardápio de, pelo menos, metade da população do planeta. As receitas são as mais diversas. Há desde o tipo grudento que acompanha o peixe no sushi até a variação cremosa dos risotos italianos. Por aqui, ele forma dupla com o feijão, num arranjo lotado de vantagens ao organismo.

Leia também: Batata-doce dá energia, mata a fome e afasta o diabete


Nutrição por inteiro

O arroz integral é o que mais se destaca pelo conjunto da obra. Justamente por não ter passado por refinamento, o cereal mantém intactas películas que guardam estruturas valiosas, caso do farelo e do gérmen. Assim, apresentado de forma, digamos, mais rústica, o arroz preserva sais minerais, proteínas, vitaminas e fibras — sem contar que permanece fonte de carboidrato e energia.

Pra completar, é destacado por estudos como ingrediente que dá um empurrão ao emagrecimento. Isso porque sua porção fibrosa faz com que o esvaziamento do estômago seja mais lento e o cérebro breque a vontade de comer, em uma atuação que prolonga a saciedade. É um mecanismo que evita, em particular, o acúmulo de gordura na região abdominal. Daí que o grão não pode faltar no menu de quem preza muito mais que uma boa forma.

Outra vez há que se louvar as fibras. Elas têm o poder de diminuir os picos de glicose no sangue, ajudando a regular a liberação de insulina, o hormônio que abre as portas para o açúcar ser aproveitado pelas células. Esse papel tem repercussões pra lá de positivas: favorece o controle do apetite e poupa o pâncreas de trabalhos extras. Nesse cenário, cai o risco de o diabete tipo 2 espreitar o organismo. Mas a atuação das fibras vai além. Ainda prestam serviço ao trânsito intestinal. É que a substância entra na receita do bolo fecal e dá uma forcinha nas contrações intestinais, contribuindo para liberar o fluxo local. Para assegurar que a prisão de ventre não tenha espaço, porém, é crucial tomar goles e goles de água ao longo do dia.

Leia também: Jeito mais comum de cozinhar arroz pode trazer riscos à saúde

Ao dar um chega pra lá na constipação, o bom humor vem com tudo. Essa relação inusitada se dá porque o intestino mantém um elo direto com a cabeça. A paz nas bandas digestivas se reflete em bem-estar para a cuca. Nesse sentido, aliás, o grão merece outro elogio: ele oferta vitaminas do complexo B e magnésio, um time que ajuda a manter a bioquímica cerebral em equilíbrio. Por fim, não dá para falar de arroz sem mencionar sua parcela de carboidrato. Embora o nutriente seja temido pela fama de engordativo, quando ele sai do prato sobra desânimo. Por isso, dentro de um cardápio balanceado, o grão tem seu lugar garantido, especialmente quando chega ao prato em seu traje integral.

Um conselho

Como a consistência do arroz integral é mais dura, vale despejar bastante líquido no cozimento. Para cada medida de arroz, use três de água. Acrescentar 1 cebola para cada xícara do grão e juntar 1 pau de canela ou ervas como tomilho e manjericão enriquecem o preparo.

Leia também: Abacate: pode comer sem culpa


Uma grande família 

Confira as características de outros tipos de arroz

Selvagem
Apesar do nome, não é um arroz de verdade, mas um tipo diferente de gramínea que contém menor quantidade de amido. Oferece boa quantidade de fibras, além de minerais como o ferro. Seu gosto é adocicado, lembrando o das amêndoas. Na culinária, combina com assados.

Vermelho
A coloração vem da película que o envolve. E o tal pigmento faz parte da família das antocianinas, substâncias festejadas pela ação antioxidante. Tem sabor rústico e vai bem com pratos regionais brasileiros, risotos e carnes brancas.

Negro
Embora não seja tão popular por aqui, é conhecido na China há milhares de anos e lá já foi chamado de “arroz proibido” por ser alimento exclusivo do imperador. Concentra pitadas de ferro e, portanto, pode ser útil para afastar a anemia.

Parabolizado
É famoso por conter muitas vitaminas mesmo após seu processamento. É que esse arroz, ainda na casca, passa por um tratamento com água fervente e os nutrientes migram para dentro do grão. Sem contar que fica mais soltinho.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s