Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Para entender (e potencializar) a memória

Neurocientista esclarece como ela funciona e o que fazer para otimizá-la e preservá-la com o avançar dos anos

Por Diogo Sponchiato Atualizado em 3 jan 2022, 13h43 - Publicado em 3 jan 2022, 13h42

Lisa Genova é mais famosa por ter escrito Para Sempre Alice, livro que virou filme e rendeu um Oscar à atriz Julianne Moore por interpretar uma professora de linguística que é vítima de um terrível Alzheimer precoce.

Agora, a americana Ph.D. em neurociência lança Memória: A Ciência da Lembrança e a Arte do Esquecimento (HarperCollins), que disseca a formação e o funcionamento da memória. De forma extremamente didática, Lisa expõe os circuitos cerebrais que captam e consolidam as lembranças e os fatores que interferem na capacidade de reter (ou não) informações.

Compartilhe essa matéria via:

Mais do que isso, ela nos mostra a importância de também esquecer — pela nossa sanidade mental e cognitiva —, distingue o que são lapsos normais de sinais de doenças como o Alzheimer e reúne os hábitos e comportamentos que realmente influenciam a memória e diminuem o risco de enfrentar um colapso futuro. Sim, tem muita coisa que a gente pode fazer a respeito.

capa do livro memória
Foto: HarperCollins/Divulgação

Memória
Autora: Lisa Genova
Editora: HarperCollins
Páginas: 192

Para não esquecer

Conselhos da autora para reter as lembranças hoje e evitar falhas de memória lá na frente

1. Atenção: só guardamos um fato ou informação se prestarmos atenção nele ou nela.

2. Imagem: o aspecto visual e a localização das coisas impactam a memorização.

3. Vínculo: personalizar um acontecimento eleva as chances de registrá-lo.

Continua após a publicidade

4. Treino: tem dados e habilidades que a gente só armazena com repetição.

5. Emoção: seja positiva, seja negativa, ela faz a memória se sedimentar.

+ VEJA TAMBÉMOs 10 alimentos que melhoram a memória

6. Estresse: em doses agudas, até ajuda a consolidar as lembranças. Se for crônico, porém…

7. Sono: quem não dorme direito — por opção ou não — fica com a memória prejudicada.

8. Estímulo: leia, releia, assista, jogue… Instigar a cognição é um jeito de resguardá-la.

9. Lembrete: escrever recados e deixar objetos à vista facilita o trabalho do cérebro.

10. Cuidado: o estilo de vida que protege o coração também minimiza o risco de Alzheimer.

 

Continua após a publicidade

Publicidade