Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Já ouviu falar no transtorno disfórico pré-menstrual?

Essa TPM mais emotiva e turbinada abala pra valer a saúde da mente e tem até um tratamento diferente

Por Theo Ruprecht
Atualizado em 11 ago 2020, 11h10 - Publicado em 6 jun 2018, 10h00

Até a sigla confunde: TDPM. Mas o “D” aí no meio faz toda a diferença. O adjetivo “disfórico” foi inserido por remeter ao mal-estar ou à depressão — é o oposto do estado de euforia. “A paciente fica de tal modo alterada que precisa se afastar do trabalho por dias”, relata a psiquiatra Carmita Abdo, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Para piorar, um levantamento alemão informa que até 8% das mulheres têm o quadro. Na entrevista abaixo, Carmita ajuda a entendê-lo melhor.

SAÚDE: o que diferencia a TPM do TDPM?

Carmita Abdo: a tensão pré-menstrual como conhecemos traz dor de cabeça, inchaço, cansaço. Ela é mais física e seus sintomas são menos graves do que os do transtorno disfórico pré-menstrual. Já o TDPM foi definido como um tipo de depressão cíclica, que surge quase todos os meses no período que antecede a menstruação. Ele se confunde com a TPM por incidir na mesma época e por também decorrer de uma baixa de estrogênio, o hormônio feminino. No entanto, o quadro é mais emocional, cursando com irritabilidade, tristeza, isolamento e muita indisposição. A paciente fica de tal modo alterada que comumente precisa se afastar do trabalho por dias. De 3 a 8% das mulheres sofrem com TDPM. E, claro, algumas delas podem apresentar TPM em paralelo.

Como é o tratamento?

Ele começa com mudanças saudáveis no estilo de vida, como comer melhor, dormir bem, evitar o estresse dentro do possível. A psicoterapia também auxilia bastante. E, às vezes, é necessário tomar antidepressivos. Se chegar a esse ponto, o importante é tomar o remédio continuamente por alguns meses, a critério do médico. Digo isso porque não raro se trata a TPM utilizando essas mesmas medicações nos 15 dias anteriores à menstruação, como uma atenuante principalmente para os sintomas físicos. Porém, o transtorno disfórico pré-menstrual é um tipo de depressão cíclica e, como tal, não deve ser combatido por um tempo tão curto. Isso somente maquia o problema e chega a cronificar o caso, tornando a mulher deprimida o mês inteiro.

Continua após a publicidade

O TDPM não seria uma forma de medicalizar emoções normais antes da menstruação?

Não estamos propondo que toda mulher, ou mesmo toda mulher com TPM recorrente, possui o transtorno. Estamos dizendo que uma parcela vai desenvolver sintomas emocionais intensos antes da menstruação por uma baixa de estrogênio. E que, se essa paciente não é bem diagnosticada e tratada, acabará tomando drogas paliativas, muitas vezes sem orientação profissional, para a vida toda. Isso, sim, seria medicalizar a vida.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.