Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Funcionários são treinados para escutar e amparar os colegas

Programa da montadora General Motors baseado em método do SUS forma colaboradores a fim de ajudar quem está em sofrimento psíquico

Por Diogo Sponchiato 21 abr 2022, 10h59

Os Brigadistas da Saúde Mental começaram a tomar forma nessa indústria automotiva em meados de 2020 diante do cenário de instabilidade e luto provocado pela pandemia.

“Na época, o número de afastamentos por licenças médicas psiquiátricas triplicou em relação aos anos anteriores. Vimos que precisávamos ajudar nossos colaboradores a evitar uma deterioração da saúde mental”, conta Christian Cetera, diretor de Recursos Humanos da General Motors na América do Sul.

A empresa recrutou experts como o psicanalista Christian Dunker, professor do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), e iniciou um processo de sensibilização e formação de funcionários com o objetivo de eles propiciarem uma escuta ativa dentro da companhia.

“Nos baseamos em três conceitos usados no SUS, partindo do mapeamento do território e de quais são seus problemas e da ideia de que precisamos de tempo, espaço e condições para lidar com o sofrimento psíquico”, explica Dunker.

Enquanto se avaliam os resultados, Cetera adianta que eles já registraram até casos de prevenção de suicídio.

LEIA TAMBÉM: Por que o burnout faz cada vez mais vítimas?

Preparo para a escuta

Professor Christian Dunker resume a abordagem e os conceitos utilizados na General Motors

Continua após a publicidade

O território: antes de os funcionários serem treinados para acolher e escutar os colegas, é feito um levantamento do contexto local, de suas condições e recursos, inclusive comunitários.

A rede: são os caminhos para acolher a pessoa, lançando mão das suas conexões com os outros e de recursos formais (como psicoterapia) e informais (família).

O cuidado: engloba as atitudes capazes de enfrentar o sofrimento psíquico, incluindo aquele ligado ao trabalho, antes que ele evolua para sintomas ou quadros mais sérios.

Compartilhe essa matéria via:

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês