Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vacina da gripe 2022: qual a diferença entre a particular e a do SUS

Campanha anual de proteção contra o influenza vai começar. Conheça o imunizante e entenda porque há duas composições diferentes, trivalente e tetravalente

Por Fabiana Schiavon Atualizado em 16 Maio 2022, 11h46 - Publicado em 4 abr 2022, 14h22

Começou a campanha anual de vacinação contra a gripe – agora já com a cepa atualizada, a H3N2 Darwin, que pegou o Brasil de surpresa no fim do ano passado. A vacina está recomendada para idosos, crianças, profissionais de saúde e outros grupos, mas a imunização será feita em etapas.

Quem está fora do público-alvo ou quer se adiantar pode recorrer ainda ao sistema privado. Há uma diferença nos imunizantes, no entanto. O Sistema Único de Saúde (SUS) aplica a versão trivalente, enquanto algumas farmácias e clínicas têm a opção da tetravalente.

Compartilhe essa matéria via:

Especialistas defendem que o mais importante é se proteger, independentemente de qual a vacina a escolhida. Entenda.

Quem pode tomar a vacina da gripe no SUS?

Entre 4 de abril e 2 de maio, o calendário dará prioridade aos idosos com mais de 60 anos e profissionais de saúde. De 3 de maio a 3 de junho, as doses serão liberadas para crianças de 6 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias, grávidas, pessoas com comorbidades, como o diabetes, entre outros grupos prioritários.

Entram na lista ainda indígenas, indivíduos com deficiência permanente, policiais, bombeiros e militares, trabalhadores do sistema rodoviário, funcionários do sistema prisional e a população privada de liberdade.

“Essa parcela atendida pelo sistema público alcança 77 milhões de pessoas, incluindo as que podem desenvolver formas graves de gripe e também os trabalhadores dos quais alguns serviços dependem para funcionar plenamente”, afirma Mônica Levi, médica e presidente da comissão de revisão de calendários vacinais da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Algumas faixas etárias ficam de fora do plano federal, como adolescentes e adultos, mas parte deles acaba se vacinando de graça por meio de campanhas empresariais, ou no segundo semestre, com as doses excedentes do SUS.

Quais são as diferenças entre a vacina da gripe particular e a gratuita?

Todos os anos, os imunizantes contra o influenza têm a sua composição definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que divulga ao Brasil e outros países quais cepas circularam mais no inverno do hemisfério norte, que chega antes.

+ Leia também: Gripe H3N2: como evitar, quais os sintomas e a eficácia da vacina
Vacina da gripe é associada a risco 34% menor de problemas cardiovasculares

“A vacina trivalente em 2022 tem duas cepas de influenza A, a H1N1 e a H3N2, e uma linhagem de influenza B, a Victoria. A opção tetravalente tem uma linhagem adicional do tipo B: a Yamagata”, explica Mônica.

O sistema público, no entanto, compra as doses do Instituto Butantan com os vírus influenza H1N1, H3N2 Darwin e B Victoria, esta última que a OMS entende que será a mais frequente este ano.

Continua após a publicidade

  • Trivalente: Tipo A (H1N1 Victoria e H3N2 Darwin) e tipo B Victoria
  • Tetravalente: Tipo A (H1N1 Victoria e H3N2 Darwin), tipo B (Victoria e Yamagata)

Qual devo escolher?

vacina influenza 2022
Neste ano, há a possibilidade de pagar pela tetravalente ou receber a trivalente pelo SUS, que tem um calendário específico para cada idade Foto: Diana Polekhina/Unsplash/Divulgação

Em termos de saúde pública, a trivalente tem uma eficácia muito boa porque contempla as variantes mais prevalentes”,  avalia Gustavo Cabral, imunologista e pesquisador da Universidade de São Paulo (USP).

No âmbito individual, é possível obter proteção extra investindo na dose com quatro cepas. A opção é interessante principalmente para quem está no grupo de risco ou convive com pessoas que fazem parte dele.

Tomar a vacina tetravalente tem suas vantagens, mas a principal recomendação da SBIm é que todas as pessoas com mais de seis meses de vida recebam a dose contra o influenza, não importa com qual composição.

+ Assine VEJA SAÚDE a partir de R$ 9,90

“Não consideramos a disponibilidade da vacina, mas a importância de ter uma alta taxa de imunização para evitar a transmissão da doença e proteger ainda mais as pessoas vulneráveis”, afirma a médica.

Vale atenção ao preço, pois alguns locais vendem a trivalente com preço de tetra. Os valores variam entre R$80 e R$150.

Quem tomou a vacina da gripe no fim do ano precisa tomar de novo?

Sim. Primeiro, porque esta fórmula está atualizada com a cepa H3N2 Darwin, que protagonizou a epidemia fora de época. A campanha do final do ano foi realizada com a dose antiga, que continha a cepa H3N2 Hong Kong e oferecia proteção parcial contra a nova cepa.

+ LEIA TAMBÉM: Quem está com gripe pode tomar a vacina na campanha?

Como o intervalo de doses é de apenas um mês, já dá tempo de receber o imunizante reformulado. “Além disso, é importante que as pessoas tirem proveito das campanhas para garantir que a proteção fique em dia”, alerta Monica.

Três campanhas ao mesmo tempo

Além da vacina da gripe, as entidades de saúde incentivam a participação da população em outras duas campanhas: contra o sarampo, para crianças de seis meses a menores de 5 anos, e a da Covid-19. Até agora, menos da metade da população adulta tomou a terceira dose e já tem gente que deve tomar a quarta.

“Maiores de 12 anos podem tomar a vacina de Covid e da gripe ao mesmo tempo”, esclarece a médica. Os menores a essa idade que tomarem a injeção contra o coronavírus, no entanto, precisam fazer um intervalo de 15 dias para tomar outras doses.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês