Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 5,90/mês

Quem está com gripe pode tomar a vacina na campanha?

A vacinação para gripe não é indicada a quem está com um sintoma moderado ou grave de uma infecção – febre alta, por exemplo. A gente explica o porquê

Por Theo Ruprecht - Atualizado em 5 mar 2020, 12h23 - Publicado em 23 abr 2019, 18h32

Durante a campanha de vacinação da gripe, você já deve ter ouvido que quem está com essa doença não pode tomar a injeção. E a orientação está certa, mas exige explicações até para não causar um pânico desnecessário.

“Na verdade, pedimos a qualquer pessoa com sintomas moderados ou graves de uma possível infecção para esperar um tempinho antes de receber a vacina da gripe ou qualquer outra”, afirma o pediatra Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim). Ou seja, febre alta, desarranjos intestinais intensos, dores musculares e por aí vai são sinais de que você deve adiar por uns dias a vacinação.

Agora, essa indicação não tem a ver com a segurança ou eficácia do imunizante contra a gripe. O problema é que, ao aplicar a dose em alguém doente, fica complicado para o médico saber se uma eventual evolução do quadro tem a ver com a vacina ou com um agravamento da infecção.

Ora, a vacinação desencadeia, em alguns poucos casos, febre baixa e dores no local da aplicação. Em um indivíduo já gripado (ou com outra infecção), esses sintomas podem ser confundidos com um retorno da doença. Aí o profissional de saúde não sabe se deve entrar com um tratamento específico ou apenas esperar os sinais passarem.

“Mas reforço que a vacina da gripe, por si só, não vai agravar qualquer enfermidade”, assegura Cunha. E mais: quadros leves, como um resfriado, não contraindicam a injeção.

Algo um pouco diferente acontece com o imunizante para febre amarela, para citar um caso. Ao contrário do da gripe, que é composto por fragmentos inativados do influenza, ele possui versões atenuadas do vírus da febre amarela. É como se esses agentes – injetados para o próprio organismo produzir anticorpos – estivessem bem fraquinhos, mas não mortos.

Isso significa que, em gente com a imunidade baixa (condição que pode decorrer de uma infecção aguda), há um risco pequenino de a própria vacina desencadear um quadro parecido com a febre amarela.

Mas de novo: isso não ocorre com a vacina da gripe. Suas reações adversas são brandas e ela simplesmente não tem potencial para deflagrar a enfermidade contra a qual deveria proteger. Aliás, até quem tem alergia ao ovo hoje em dia pode tomá-la.

Então há alguma contraindicação? Apenas para quem sofreu uma reação alérgica grave ao tomar a vacina da gripe.

Continua após a publicidade
Publicidade