Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A vacina da gripe pode causar reação adversa?

Durante a campanha, muita gente pergunta quem não pode tomar sua dose contra o influenza. Conheça os possíveis efeitos colaterais da vacinação

Por André Biernath
Atualizado em 15 Maio 2019, 16h59 - Publicado em 9 Maio 2018, 13h16

Fique tranquilo: a vacina da gripe não causa reação adversa grave. Em alguns casos, ela traz sintomas como dor no local da aplicação e uma leve irritação. Febre baixa também é uma possibilidade – mas nada muito além disso.

Só não ache que a vacinação pode, em certas situações, provocar a gripe em si. “Não existe a mínima probabilidade de isso acontecer, porque o imunizante é produzido com o vírus inativado”, garante o infectologista Ícaro Boszczowski, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

Vírus inativado? É mais ou menos assim: os subtipos do influenza são picotados e destituídos de qualquer capacidade de infecção. Eles estão “mortos” e fragmentados – mas o nosso corpo consegue usar essas partes para produzir anticorpos. No caso da vacina da febre amarela, por exemplo, o vírus só é atenuado, o que traz um risco mínimo de efeitos colaterais graves.

Continua após a publicidade

Contudo, às vezes a pessoa toma a injeção e, dias depois, apresenta sintomas da gripe. Por quê? Ora, a dose leva de dez a 15 dias para surtir efeito – e é possível que a pessoa tenha contraído o vírus no ambiente nesse meio tempo.

Além disso, a média de eficácia da vacina é de 70%. Isso significa que, em certos indivíduos, o organismo não irá produzir anticorpos ao ponto de proteger contra a gripe mesmo após receber a picada. Aí, é possível que esses sujeitos peguem a doença depois de irem ao posto de saúde – mas não foi a vacina em si que causou os sintomas, entendeu?

Mais: até pouco tempo atrás, pessoas alérgicas ao ovo não podiam tomar o imunizante, sob o risco de sofrer com reações graves. Isso porque a vacina é produzida dentro da casca.

Mas entidades brasileiras e americanas asseguram que a vacina é segura até entre essa turma, uma vez que, hoje em dia, apenas uma porção mínima (quase nula) de substâncias do ovo passam para o produto final da seringa. Perigoso mesmo é não se vacinar, principalmente se você faz parte dos grupos de risco. Participe da campanha!

A princípio, apenas quem está com uma infecção aguda no momento e os bebês com menos de 6 meses de vida não devem se vacinar. Mas não porque a vacina é sabidamente perigosa aqui – e, sim, porque faltam estudos com essa subpopulação e porque o leite da mãe vacinada já confere proteção.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.