Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vacina contra Covid em crianças de 3 e 4 anos: por que é tão urgente?

A Coronavac foi liberada para um novo grupo de crianças, e alguns estados já iniciaram campanha. Pequenos estão mais suscetíveis após flexibilização

Por Fabiana Schiavon 22 jul 2022, 17h32

Há pouco mais de um mês, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso da vacina Coronavac para crianças de 3 a 5 anos contra a Covid-19. Com adultos livres de máscara e circulando livremente com os filhos, a medida é urgente, na visão de especialistas.

Atualmente, duas vacinas contra Covid-19 estão autorizadas no Brasil para crianças: a versão pediátrica da Pfizer, a partir de 5 anos, e a Coronavac, a partir de 6 anos. Agora, o grupo de 3 e 4 anos poderá receber o imunizante do Instituto Butantan.

Reunimos aqui tudo sobre essa nova etapa da luta contra o coronavírus.

Como será a vacinação e quando ela inicia?

Após a aprovação da Anvisa, o Ministério da Saúde recomendou que os estados comecem suas campanhas. O órgão afirma que “segue em tratativas para aquisição de novas doses” ao admitir que o estoque de Coronavac está baixo. Para que isso não afete o início da nova campanha, as doses serão distribuídas em etapas:

  1. Primeiro para as crianças com comorbidades, deficiências e indígenas
  2. As de 4 anos vêm na sequência
  3. E, por último, as mais novas, de 3 anos

    Na cidade de São Paulo, a primeira fase começou no dia 20 de julho. O Rio de Janeiro foi a primeira capital a iniciar a distribuição, segundo a Agência Brasil. Na sequência, entraram no esquema São Luis (MA), Manaus (AM), Salvador (BA), Fortaleza (CE), Belém (PA) e Boa Vista (RR).

    Compartilhe essa matéria via:

    É preciso informar-se sobre esse calendário nos postos de imunização de sua cidade.

    Qual esquema de vacinação?

    A dose para essas crianças continua a mesma já adotada para outras idades. São duas picadas de 0,5 mL, com o intervalo de 28 dias. Esse método é comum em imunizantes com vírus inativado, como a Coronavac e a vacina da gripe, por exemplo.

    “Vacina não é por peso, como alguns medicamentos. O que é avaliado é se uma dose menor pode ser eficaz na produção de anticorpos”, explica Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

    Por que a Coronavac? Qual a eficácia dessa vacina?

    A Anvisa decidiu acolher o pedido do Instituto Butantan com base nos dados apresentados no Chile – país que está à frente desse tipo de pesquisa na América Latina.

    Lá, foram observadas cerca de 490 mil crianças dessa faixa etária entre dezembro de 2021 e fevereiro de 2022 (época do surto de Ômicron). A eficácia estimada da vacina foi de 64,6% contra hospitalização por Covid-19, e 69% na prevenção de admissão em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

    + Leia também: Onda silenciosa de Covid-19 põe idosos e crianças em risco

    “O risco de internação foi reduzido em 55% dessas crianças”, afirma Alberto Chebabo, infectologista do Laboratório Sérgio Franco, da Dasa, e presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). Esses dados são suficiente para evitar mortes e casos graves nesse grupo que está desprotegido.

    Sobre quanto tempo dura essa proteção, ainda é preciso de mais observação – o que é seguro dizer agora é que ela protege durante seis meses, informa Chebabo.

    Continua após a publicidade

    Mortes infantis por Covid e por que vacinar

    “Houve um licenciamento de emergência da vacina, justamente porque há crianças morrendo de Covid-19. “Nós começamos pelos idosos, porque a letalidade entre eles era de 48%, e, nas crianças, esse índice é de 8%. Mas é preciso entender que isso não é pouco”, defende Ballalai.

    Essa faixa etária tem dificuldade de usar máscara e agora vive em ambientes nos quais ninguém está usando essa proteção e se expondo a aglomerações. “Os adultos estão mais soltos porque estão vacinados, mas eles carregam crianças para lá e para cá”, lembra a pediatra da Sbim.

    Leia também: Vacina da Covid-19 em crianças: tudo o que você precisa saber

    Dados divulgados pelo Ministério da Saúde contabilizam 17 252 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por Covid-19, e 730 mortes pela mesma causa entre crianças de 6 meses e 4 anos. A população desse grupo no Brasil é de 13 milhões. Os números foram registrados no Sistema de Vigilância Epidemiológica de Gripe (SIVEP-Gripe).

    Para ter uma ideia, a principal causa de internação de crianças pequenas sempre foi o Virus Sincicial Respiratório, mas a Covid já está tomando o lugar dele, segundo Isabella.

    Crianças imunossuprimidas ou com comorbidades

    Crianças com asma, doença neurológica crônica, cardiopatia crônica, imunossupressão, pneumopatias e outras doenças foram as maiores vítimas da Covid-19. Daí porque foram priorizadas diante da escassez de doses.

    Até o fim do primeiro semestre desse ano, foram registrados 616 casos de Síndrome Inflamatória Multisisstêmica Pediátrica (complicação grave da Covid em crianças) e 53 óbitos nesse grupo.

    De início, os pequenos imunocomprometidos foram excluídos pela Anvisa, que depois voltou atrás e autorizou a vacinação nesse subgrupo. “Essa dúvida não tinha relação à segurança do produto. A questão é que não há dados de eficácia da Coronavac em crianças imunossuprimidas, mas como o risco de morte entre elas é muito elevado, optou-se por vacinar”, esclarece Chebabo.

    + Leia também: Quem são os indivíduos imunocomprometidos? Só Covid preocupa?

    Vacina fará parte do calendário de vacinação habitual?

    É difícil falar em datas e programação de calendário enquanto ainda estivermos em situação de pandemia, segundo Isabella, da Sbim.

    “Hoje, sabe-se que quando a criança atinge a idade para tomar a vacina contra a Covid, ela deve ser levada ao posto.  Mas ainda não conhecemos quando será preciso tomar a dose de reforço. Além disso, tudo depende dos números de casos aqui no mundo, o surgimento ou não de novas variantes”, aponta a médica.

    Outros imunizantes virão? E os bebês?

    Também utilizada por aqui nos pequenos de 5 a 11 anos, a Pfizer está concluindo estudos antes de pedir autorização para vacinar essa faixa etária mais jovem. Isso deve ocorrer primeiro nos Estados Unidos. Ela também poderá ser utilizada em bebês com mais de seis meses.

    No entanto, até todas essas aprovações e recomendações rolarem, alguns meses devem se passar.

    Continua após a publicidade

    Publicidade

    Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

    Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

    Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

    MELHOR
    OFERTA

    Digital

    Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

    Blogs de médicos e especialistas.

    a partir de R$ 9,90/mês

    ou

    30% de desconto

    1 ano por R$ 82,80
    (cada mês sai por R$ 6,90)

    Impressa + Digital

    Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

    Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

    Blogs de médicos e especialistas.

    Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

    a partir de R$ 12,90/mês