Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

É urgente: precisamos reverter a queda na cobertura das vacinas!

Comunicação efetiva e adesão à vacinação salvam vidas. É essencial voltar a atingir as metas de imunização para evitar doenças como pólio e sarampo

Por Juarez Cunha, pediatra e presidente da SBIm*
23 abr 2022, 12h22

Na minha infância, não questionávamos se a vacinação era necessária. Apenas tomávamos as vacinas, porque assim deveria ser. Hoje queremos saber como elas são produzidas, como funcionam, quem é o fabricante, qual a eficácia, se pode haver algum evento adverso, entre outras questões.

Todo esse movimento, desde que as informações sejam obtidas a partir de fontes confiáveis, é muito positivo. O conhecimento é um direito do cidadão. Assim como a saúde, da qual a população abre mão ao não seguir as recomendações dos calendários de vacinação.

A queda das coberturas vacinais no Brasil começou em 2016 e se intensificou durante a pandemia de Covid-19. Em 2021, os números da imunização de crianças e adolescentes foram os piores em mais de 30 anos.

Estamos sob risco real de voltar a conviver com a paralisia infantil (poliomielite), eliminada do país há décadas, e ver o aumento de casos de diversas doenças, como a pneumonia, a meningite, a coqueluche e o sarampo.

Cabe destacar que a queda na busca pela vacinação durante a pandemia não é uma exclusividade brasileira: o fenômeno é global. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou como alarmante o declínio do número de crianças e adolescentes vacinados e alertou para a possibilidade de que conquistas históricas da vacinação sejam perdidas.

+ LEIA TAMBÉM: Qual é a diferença entre a vacina da gripe do SUS e a do particular?

No Brasil, um levantamento realizado pelo Ibope revelou que 29% dos pais adiaram a vacinação dos filhos após o surgimento da Covid-19. Desses, 9% planejavam levá-los somente quando a pandemia acabasse. Os piores indicadores foram obtidos nas regiões Norte e Centro-Oeste, onde, infelizmente, 40% das famílias atrasaram a imunização. A pesquisa, que ouviu pais das classes A, B e C, apontou que os atrasos ocorreram em todos os estratos sociais.

É muito importante ressaltar que não há vacina “desnecessária porque a doença é leve ou quase não existe mais”.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

É justamente a vacinação a responsável por hoje termos poucos casos, mortes e sequelas por enfermidades como a coqueluche, o sarampo e as meningites. Abandoná-la levará o país de volta a um passado nada glorioso, marcado pelo sofrimento gratuito de inúmeras famílias.

Esse cenário precisa ser mudado imediatamente. É essencial que as autoridades de saúde — nos âmbitos federal, estadual e municipal — invistam em estratégias de comunicação efetiva para conscientizar os brasileiros de que as vacinas não devem ser buscadas apenas durante surtos e para minimizar o impacto das fake news.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Os profissionais da saúde também devem aproveitar a visita do paciente às unidades, independentemente do motivo, para conversar sobre o tema e esclarecer todas as dúvidas.

A todos os cidadãos cabem três missões importantes: manter o calendário vacinal em dia, levar as crianças aos postos de vacinação e buscar conhecimento em fontes confiáveis. São atos simples, rápidos e que demonstram o cuidado consigo e com o próximo. Afinal, informação responsável e vacinação salvam vidas!

* Juarez Cunha é presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.