Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Testes rápidos de dengue: quais os tipos e quando fazer

Exames de antígenos e anticorpos detectam a dengue com alta precisão em poucos minutos, mas devem ser feitos no período correto; saiba quando

Por Maurício Brum
26 fev 2024, 08h23

Com a dengue em alta no país neste início de 2024, qualquer mal-estar já é motivo para suspeitar de que a doença está se instalando no organismo. Mas, em meio à correria do dia a dia, pode não ser tão simples conseguir uma consulta médica a tempo de confirmar as dúvidas. É quando entram em cena os testes rápidos.

Embora nenhum teste feito de forma independente substitua a avaliação de um médico sobre o melhor tratamento, identificar cedo que se trata de um caso de dengue pode ser decisivo para escolher entre os analgésicos vendidos sem prescrição.

Afinal, para tratar a febre e as dores causadas pela dengue, não se deve tomar remédios comuns como ibuprofeno, aspirina ou nimesulida, que podem aumentar o risco de complicações.

Mas nem todos os testes rápidos de dengue são iguais. Em linhas gerais, eles se dividem entre exames de antígenos e de anticorpos – e é importante entender a diferença para saber qual pode dar a resposta que você precisa.

+Leia também: Dengue: quais os repelentes adequados contra o mosquito, segundo a Anvisa

Teste de antígeno é indicado no início dos sintomas

Se você começou a se sentir mal há pouco tempo, o teste de antígeno é a melhor pedida. Ele é recomendado nos primeiros dias de infecção, apresentando resultados melhores até o quinto dia desde o aparecimento dos sintomas.

Continua após a publicidade

Com uma gota de sangue, esse exame é capaz de detectar uma infecção em andamento, quando o vírus ainda está se replicando no organismo da pessoa. Ele busca sinais da proteína NS1, que está presente em todos os sorotipos do DENV, como também é chamado o vírus da dengue.

O teste é oferecido em hospitais e farmácias, e os resultados costumam sair em cerca de 15 minutos.

Quando fazer o exame de sorologia?

Caso você tenha deixado passar os primeiros sinais de que algo ia mal e decidiu se testar mais tarde, pode ser melhor investir em um teste sorológico, que busca os anticorpos produzidos pelo sistema imunológico em resposta à infecção. Esse exame é mais preciso a partir do sexto dia após o começo dos sintomas.

O exame de sorologia também é feito com a coleta de uma gota de sangue, geralmente por uma picada no dedo, e pode apresentar dois resultados que indicam momentos diferentes da infecção: caso a pessoa dê positivo para anticorpos do tipo IgM, a dengue ainda está ativa. Já o IgG indica um contágio mais antigo, sinalizando que o quadro pode ter começado antes do que se imaginava.

Esse teste também pode ser encontrado em centros de saúde e farmácias, com os resultados normalmente saindo em no máximo meia hora.

Continua após a publicidade

Os testes rápidos contra a dengue podem estar errados?

Os métodos atualmente disponíveis no mercado são muito confiáveis, com a sensibilidade e a especificidade (índices que indicam a precisão para casos positivos e negativos) geralmente superando a faixa dos 95%. Mas nenhum é infalível, e erros podem acontecer.

Como os testes rápidos podem ser realizados sem prescrição, é comum buscá-los sem jamais ter passado por uma consulta para avaliar os sintomas. Caso você suspeite que seu exame não apontou um resultado correto e os incômodos continuem, busque ajuda médica para definir o tratamento.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.