Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ressaca: o que de fato funciona contra os sintomas?

Hidratação e alimentação equilibrada durante e depois do consumo de álcool são as medidas mais eficazes

Por Alexandre Raith, da Agência Einstein*
Atualizado em 24 dez 2021, 13h53 - Publicado em 24 dez 2021, 13h53

As comemorações na época de fim de ano por vezes levam ao consumo exagerado de bebidas alcoólicas, e o resultado é conhecido: a ressaca. Medidas para aliviar os efeitos são inúmeras, mas nem todas eficazes.

O primeiro passo, de acordo com os especialistas, é não exagerar. Vale lembrar que doenças como a cirrose hepática, alguns tipos de câncer e problemas cardiovasculares estão relacionados à ingestão alcoólica sem limites.

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), agência para as Américas da Organização Mundial da Saúde (OMS), três milhões de mortes, por ano, resultam do uso nocivo do álcool.

“Uma quantidade exagerada é mais de 20 gramas de álcool para mulher e mais de 30 gramas para homem”, indica Mônica Valverde Viana, diretora da Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH). Na prática, são duas taças de vinho ou duas latas de cerveja para o homem e a metade para a mulher, por dia.

Compartilhe essa matéria via:

O número de doses depende do teor alcóolico de cada tipo de bebida – e muda de acordo com o sexo. O homem tem uma maior quantidade de enzimas que são utilizadas na metabolização do álcool, por isso a indicação para as mulheres é menor.

Se ultrapassamos essa quantidade, o organismo não consegue metabolizar tudo de uma só vez, gerando a desidratação e a hipoglicemia, segundo Viana. “A ressaca vai ser causada principalmente por isso”, explica.

A hidratação, entre as doses, é o segundo passo para evitar os sintomas. “Para cada taça de vinho, duas de água, para prevenir um efeito mais deletério sobre o organismo”, orienta a especialista. Outra recomendação é jamais beber de estômago vazio.

No dia seguinte, mais água

Se os cuidados durante a ingestão de álcool não foram colocados em prática, eles devem ser adotados no dia seguinte: hidratação com água, isotônico e suco de frutas. Outra recomendação é para que favoreça refeições leves e, se possível, descanse, para que o corpo possa se recuperar.

Continua após a publicidade

Remédio para o fígado funciona?

Tomar remédio para o fígado antes ou depois de beber é inútil, segundo os especialistas. “Não existe nada provado em estudos científicos que valha a pena fazer isso. O ideal é se ater à quantidade de álcool de acordo com a bebida que está ingerindo”, afirma Mônica.

Outro engano é achar que, quando se é jovem, a ressaca é mais leve. Mas a idade não tem tanta interferência nos efeitos do excesso. “Tem a ver com o sistema de metabolização do álcool pelo organismo. As enzimas digestivas, principalmente as que temos no estômago e no fígado, variam de pessoa para pessoa”, explica a diretora da SBH.

Segundo Viana, pessoas mais velhas tendem a tomar mais medicamentos, como por exemplo para hipertensão ou diabetes. Isso leva à uma sobrecarga do fígado, responsável por metabolizar esses remédios. “Por isso, a gente tende a ver um pouco mais desses efeitos deletérios do álcool nos indivíduos mais idosos”, completa.

*Este texto foi  publicado originalmente pela Agência Einstein.

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.