saudeLOGO Created with Sketch.

Parceria entre laboratórios mira acelerar vacina contra zika

Três instituições assinaram um acordo de colaboração para desenvolver o imunizante até 2020

Não é de hoje que entidades científicas dedicam esforços para combater o zika vírus. A farmacêutica Sanofi Pasteur, da França, já havia anunciado o lançamento de um projeto para desenvolver uma vacina contra o agente infeccioso. Além disso, em julho deste ano, firmou uma parceria com o instituto de pesquisa do Exército dos Estados Unidos (WRAIR, na sigla inglês) para alavancar as pesquisas. Agora, ambos se unem à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que também vinha trabalhando paralelamente em nesse campo.

Leia mais: Exames para detectar zika passam a ter cobertura dos planos de saúde

A empresa francesa disse em comunicado que é até natural somar esforços com o instituto brasileiro. “Faz sentido que combinemos a nossa experiência e recursos com a Fiocruz, localizada no Brasil — foco das atuais experiências sobre zika. Temos um objetivo comum de desenvolver uma vacina para prevenir essa ameaça emergente”, diz um comunicado da farmacêutica.

Leia mais: Estudo brasileiro associa zika à má formação das articulações

Os experts acreditam que, se correr tudo bem, a vacina estará disponível em até dois anos. Até o segundo semestre de 2015, o zika era encarado como uma dengue leve. E convenhamos que manchas vermelhas, febre e coceira, associadas a uma mortalidade baixíssima, não geram tanta preocupação. Mas o elo desse vírus com a microcefalia e a sua propagação pelo mosquito Aedes aegypti impõem desafios que não podem ser ignorados. Conheça 10 dilemas suscitados pela epidemia e como poderemos vencê-la clicando aqui.