Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Novos remédios para espondilite anquilosante

O SUS deve oferecer mais drogas para tratar essa doença inflamatória que afeta dois milhões de brasileiros

Por Ana Luísa Moraes Atualizado em 7 Maio 2018, 18h43 - Publicado em 20 abr 2017, 16h30

A espondilite é uma enfermidade inflamatória que atinge as articulações do corpo, principalmente a coluna e bacia. Ela costuma acometer homens jovens, entre 20 e 40 anos de idade, e pode se tornar extremamente incapacitante se não for diagnosticada cedo. “Essa disfunção é pouco percebida pelos médicos, o que é preocupante, já que, em estágio avançado, o portador sofre uma calcificação na coluna. Com isso, não consegue girar o pescoço nem esticar. Fica rígido e com muitas dores”, explica o reumatologista Marcelo Pinheiro, da Universidade Federal de São Paulo.

Mas o cenário hoje já está bem melhor do que há quase duas décadas. É que no começo dos anos 2000 surgiram alguns medicamentos biológicos para o manejo da doença: “Se eles forem utilizados até cinco anos depois do diagnóstico, há grandes chances de o paciente levar uma vida completamente normal”, diz o médico.

Atualmente, os principais tratamentos atuam bloqueando uma via de inflamação do corpo, o fator de necrose tumoral, que é especialmente aumentado em pessoas com espondilite. Esses fármacos são eficientes em 80% dos casos, mas, como efeito colateral, podem aumentar o risco de tuberculose.

Só que Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) solicitou que novos remédios sejam integrados ao sistema público de saúde. Estamos falando do secuquinumabe e do certolizumabe pegol. Eles funcionam bloqueando um outro meio de inflamação do corpo – e oferecem algumas vantagens extras. A primeira delas é que os outros 20% dos pacientes também podem se beneficiar. Além deles, existem aqueles que, com o tempo, param de responder à terapia convencional, que vai perdendo eficácia ao longo do tempo. Por último, a novidade não aumenta a probabilidade de encarar uma tuberculose.

No momento, a integração desses fármacos está aberto para consulta pública. Isso acontecerá até o dia 5 de setembro.

Mas tomar remédio não é a única medida contra a espondilite anquilosante. “Fazer exercícios é essencial para combater a rigidez. E não fumar, já que os fumantes respondem menos ao tratamento”, indica Marcelo Pinheiro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês