Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Nova ferramenta para o colesterol alto

Surge um remédio diferente contra essa condição

Por André Biernath - 21 abr 2020, 12h11

Um dos principais fatores por trás de infarto e AVC acaba de ganhar uma nova solução: o ácido bempedoico foi liberado como tratamento para baixar o LDL, o colesterol ruim. Ele é o primeiro comprimido de dose diária a receber o sinal verde das autoridades nas últimas duas décadas.

“O fármaco será indicado nos casos em que as estatinas, que continuam como a principal terapia nessa área, trazem efeitos colaterais, não funcionam ou não são suficientes para chegar à meta desejada de colesterol”, explica o cardiologista Raul Santos, diretor da Unidade Clínica de Lípides do Instituto do Coração (InCor), em São Paulo. Por enquanto, o medicamento só está disponível nos Estados Unidos. Mas tudo indica que ele chegará ao Brasil em breve.

Mecanismo de ação

Entenda como o ácido bempedoico funciona

1. Para formar as moléculas de colesterol, o fígado faz uma série de processos químicos, divididos em várias etapas.

Continua após a publicidade

2. A droga inibe a enzima ACL, que é vital nessa cascata. Isso interrompe o processo de fabricação do LDL.

Farmácia reforçada

Os médicos contam com um verdadeiro arsenal para frear a subida do colesterol

Estatina
Esse comprimido continua como a primeira opção na maioria dos casos.

Ezetimiba
Representa um reforço quando a estatina não dá conta do recado sozinha.

Ácido bempedoico
Deve ser prescrito junto com uma ou duas das opções anteriores.

Inibidor de PCSK9
Injeção aplicada a cada 15 ou 30 dias para os quadros de difícil controle.

Publicidade