Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Infecção do coronavírus na boca pode explicar perda de olfato e paladar

Segundo estudo, o vírus da Covid-19 também conseguiria invadir células da cavidade oral, o que ajudaria a entender a presença de certos sintomas

Por Frederico Cursino, da Agência Einstein* Atualizado em 29 mar 2021, 18h56 - Publicado em 29 mar 2021, 18h40

Uma equipe internacional de cientistas encontrou evidências de que o coronavírus também pode infectar células da boca, e que essa região produziria cópias do vírus, que são inclusive espalhadas para outras partes do corpo. A descoberta ajuda a explicar por que a Covid-19 pode afetar o paladar ou o olfato, entre outras coisas.

“Com base em dados de nossos laboratórios, suspeitamos que pelo menos parte do vírus na saliva seria proveniente de tecidos infectados na própria boca”, afirma Blake Warner, chefe da Unidade de Doenças Salivares do National Institutes of Health, nos Estados Unidos, e autor principal do estudo, publicado na respeitada revista científica Nature.

O experimento foi organizado em três etapas. Na primeira, os pesquisadores examinaram os tecidos orais de pessoas saudáveis para identificar possíveis regiões da boca mais suscetíveis à infecção pelo Sars-CoV-2.

Na segunda parte, eles buscaram evidências de infecção no tecido oral de indivíduos com a Covid-19. E notaram que parte das células das glândulas salivares estavam infectadas, e fazendo novas cópias do agente infeccioso.

Finalmente, para explorar a relação entre certos sintomas da Covid-19 e a presença do vírus na boca, a equipe coletou saliva de um grupo de 35 voluntários com sintomas leves ou assintomáticos. Dos 27 que apresentaram alguma queixa, aqueles com vírus na saliva eram mais propensos a relatar perda de paladar e olfato. Isso sugere — embora não comprove — que a infecção de tecidos na boca ao menos contribua para esses sinais.

“Ao revelar um papel potencialmente subestimado para a cavidade oral na infecção pelo Sars-CoV-2, nosso estudo abre novos caminhos investigativos, levando a uma melhor compreensão do curso da doença. Essas informações também podem ajudar em intervenções para combater o vírus e aliviar os sintomas orais da Covid-19”, afirma Warner.

Os autores ressaltam que mais pesquisas, em um grupo maior de pessoas, são necessárias para confirmar as descobertas. Eles também esperam identificar com mais profundidade a natureza exata do envolvimento da boca na infecção e transmissão do coronavírus.

*Este conteúdo foi adaptado da Agência Einstein.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês