Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Hepatite B: como é a transmissão e quais os sintomas da doença

A hepatite B, uma doença viral que afeta o fígado, é transmitida sexualmente e pode se tornar crônica. Mas tem vacina no SUS e tratamento

Por Sílvia Lisboa
15 abr 2024, 16h55

Silenciosa, a hepatite B demora décadas até se manifestar na forma de sintomas comuns a outras doenças, como enjoo, vômitos, cansaço, febre e dor abdominal. Mas, quando chega a esta fase, é sinal que a doença se tornou crônica e comprometeu o bom funcionamento do fígado, o órgão-alvo do vírus HBV.

A boa notícia é que há prevenção: a vacina contra a hepatite B está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) para todas as idades.

Em 2023, o Ministério da Saúde (MS) anunciou ainda uma simplificação do diagnóstico da hepatite B para brecar o contágio e evitar o número de casos mais avançados.

No novo protocolo, se o teste de carga viral for detectável (definida pela presença do HBsAg reagente), o resultado, aliado à idade do indivíduo, é suficiente para o diagnóstico e o início do tratamento de forma imediata.

Continua após a publicidade

É preciso estar com as enzimas do fígado uma vez e meia maiores que o normal por pelo menos seis meses. Desde 2011, o SUS oferece testes rápidos para detectar o vírus HBV.

Estima-se que quase 1 milhão de pessoas vivam com a doença no país – a maioria (700 mil) ainda não foi diagnosticada. Hoje entre a 20% e 30% dos adultos infectados pelo vírus B da hepatite desenvolverão cirrose ou câncer de fígado, de forma separada ou simultânea.

+Leia também: Mortes por hepatites virais estão aumentando no mundo

Segundo o MS, iniciar o tratamento de forma precoce quebra o ciclo de transmissão, evitando casos graves e mortes. A OMS preconiza como ideal o diagnóstico de 90% dos casos, tratar 80% dos diagnosticadas, reduzir em 90% a ocorrência de novas infecções e em 65% a mortalidade até 2030.

Formas de transmissão da hepatite B

O vírus da hepatite B, o HBV, está presente no sangue e secreções, e as relações sexuais são a principal via de infecção. Na maior parte dos casos, a infecção se resolve espontaneamente em até seis meses com a presença no sangue de anticorpos HBsAg. Após esse período, a infecção é considerada crônica.

Crianças menores de cinco anos têm mais risco de desenvolver as formas crônicas da doença. Por isso, é obrigatório testar as gestantes no pré-natal.

Continua após a publicidade

+Leia também: Casos misteriosos de hepatite infantil grave: o que sabemos até agora

Caso detectada a presença do vírus, a recomendação é iniciar uma profilaxia para evitar a transmissão da mãe ao filho.

As principais formas de transmissão são:

Continua após a publicidade
  • Relações sexuais sem preservativo com um indivíduo com hepatite B
  • Durante a gestação e o parto, no caso de a mãe ser portadora da doença
  • Compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas, cachimbos)
  • Compartilhamento de materiais de higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, alicates de unha ou outros objetos que furam ou cortam)
  • Em tatuagens, piercings ou procedimentos odontológicos ou cirúrgicos que não atendam às normas de biossegurança
  • Por contato próximo com cortes e feridas de alguém contaminado
  • Transfusão de sangue (mais relacionadas ao período anterior a 1993)

Quais são os sintomas da hepatite B

A história natural da infecção é marcada por evolução silenciosa, geralmente com diagnóstico após décadas da infecção. Os sinais e sintomas, quando presentes, são comuns às demais doenças crônicas do fígado e costumam manifestar-se apenas em fases mais avançadas.

Esses sintomas aparecem na forma de cansaço, tontura, náusea, vômitos, febre e dor abdominal. A ocorrência de pele e olhos amarelados (icterícia) é observada em menos de um terço dos pacientes com hepatite B.

Como é o tratamento para a hepatite B

O melhor tratamento sempre é a prevenção. Quem não se vacinou adequadamente deve procurar uma unidade básica de saúde para concluir o esquema vacinal, composto de três doses. A vacinação da hepatite B foi incluída no SUS nos anos 1990.

Continua após a publicidade

O uso de preservativos nas relações sexuais, não compartilhamento de seringas e materiais cortantes e o pré-natal são formas eficazes de evitar infecção e a sua disseminação.

+Leia também: Silenciosas, hepatites B e C são as principais causas do câncer do fígado

Dê atenção também às condições de higiene de salões de beleza, clínicas estéticas, estúdios de tatuagem e piercing.

Continua após a publicidade

Em caso de infecção, o tratamento é feito com antivirais, também disponíveis no sistema público de saúde. A medicação não cura a doença, mas retarda a sua progressão e a incidência do câncer de fígado.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.